Conteúdo publicado há 2 meses

Morre suspeito de matar ex-companheira a tiros enquanto ela amamentava

O homem suspeito de matar a ex-companheira enquanto ela amamentava o filho de três meses morreu.

O que aconteceu

Leandro Santos Dias, 34, havia sido preso ontem (29), por policiais civis da DHBF (Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense). O crime aconteceu na terça-feira (28), em São João de Meriti, na Baixada Fluminense.

O suspeito foi encontrado com ferimentos de arma de fogo em uma rua próxima à casa onde estava escondido, segundo a polícia. "A DHBF realizou investigações e um trabalho de inteligência e identificou o esconderijo do autor. Os agentes seguiram ao endereço indicado, na Comunidade Pantanal, em Duque de Caxias, também na Baixada Fluminense, e encontraram o acusado".

A corporação não informou quem baleou o suspeito.

Ele foi internado no Hospital Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias. A Secretaria Municipal de Saúde informou que o preso informa que o paciente deu entrada na unidade às 13h50 de ontem, levado por viatura policial.

Leandro Santos estava várias perfurações no abdômen e foi encaminhado imediatamente para o centro cirúrgico da unidade, onde passou por procedimento, sendo encaminhado ao CTI, entubado e com quadro gravíssimo.

O suspeito teve uma parada cardiorrespiratória e não respondeu às manobras de reanimação. Ele morreu nesta quinta-feira (30), às 04h33, esclareceu a gestão municipal. O corpo foi encaminhado para o IML.

O caso

Cristiane dos Anjos Barbosa foi morta à queima-roupa na terça-feira (28) pelo ex-companheiro em São João de Meriti. Os filhos do casal presenciaram o crime.

Continua após a publicidade

A vítima estava morando com o pai havia cerca de duas semanas após ter sido expulsa de casa pelo ex. Além do bebê, o casal tinha outros três filhos, de 2, 5 e 10 anos.

Na residência do suspeito, a polícia diz que encontrou um revólver, que será analisado para identificar se foi o mesmo utilizado no feminicídio.

Em caso de violência, denuncie

Ao presenciar um episódio de agressão contra mulheres, ligue para 190 e denuncie.

Casos de violência doméstica são, na maior parte das vezes, cometidos por parceiros ou ex-companheiros das mulheres, mas a Lei Maria da Penha também pode ser aplicada em agressões cometidas por familiares.

Também é possível realizar denúncias pelo número 180 — Central de Atendimento à Mulher — e do Disque 100, que apura violações aos direitos humanos.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes