PUBLICIDADE

Topo

Direitos da mulher

Mulher recebe bilhete para não andar de sutiã em casa: 'Tenha decência'

Juliana Kulpa recebeu bilhete em caixa de correspondências - Arquivo pessoal
Juliana Kulpa recebeu bilhete em caixa de correspondências Imagem: Arquivo pessoal

Heloísa Barrense

De Universa, em São Paulo

30/09/2021 19h53Atualizada em 01/10/2021 17h23

A confeiteira Juliana Kulpa, de 25 anos, foi pega de surpresa ao abrir a caixa de correspondências de seu apartamento e encontrar um bilhete de uma vizinha, que pedia para que ela parasse de transitar em sua própria residência usando apenas sutiã. "Somos evangélicos e meu marido fica em casa em home office. Tenha decência", diz a mensagem. O caso ocorreu em Osasco, na Grande São Paulo, há cerca de 20 dias e vem pautando debate — e gerando indignação — nas redes sociais.

Juliana mora há oito anos no mesmo edifício e mudou de apartamento, no mesmo prédio, há dois meses. Ela diz que não costuma olhar a caixa de cartas, mas que decidiu checar as correspondências numa manhã antes de levar um de seus dois filhos à escola. "A primeira reação foi um susto, porque a pessoa não se identificou. Fiquei assustada com isso", contou a Universa.

Ela conta não ter o costume de andar de sutiã no imóvel e acredita que a vizinha a tenha visto com um top e um short de academia. "Eu imagino que tenha sido no dia que eu fui fazer uma caminhada e, em seguida, fiz uma faxina", afirma ela.

A confeiteira acredita que a autora do bilhete é de outro edifício. "Até hoje, a pessoa não se identificou. Eu não imagino quem seja, porque as janelas da minha lavanderia e do meu quarto dão para a frente do outro prédio; mas são muitos apartamentos. Não dá para saber quem é. Com certeza é alguém do outro prédio, porque daqui não tem como ninguém me ver", diz a confeiteira.

Ela chegou a levar o caso para a administração dos dois condomínios vizinhos. A síndica do prédio em que vive disse não haver o que fazer. "Ela deu muita risada. Disse que estava passada com a situação, mas que não poderia fazer nada porque a pessoa não havia se identificado", afirma Juliana. A representante da edificação vizinha igualmente orientou que Juliana mantivesse a vida normal apesar da situação.

A história se espalhou nas redes sociais após Juliana publicar a mensagem em um grupo do Facebook.

"99,9% das mensagens são de apoio. A única coisa que me incomodou um pouco é que muita gente perguntou sobre o que o meu marido achava disso. Eu tentava responder: 'Meu marido não acha nada, o corpo é meu. Quem está expondo o corpo sou eu. Ele não tem nada a ver'", disse ela.

Desde o ocorrido, Juliana não recebeu mais bilhetes garante que, além de não ter ficado intimidada, continuará mantendo seus hábitos na privacidade de seu lar. "Voltei a usar top, cropped; não fiquei nem um pouco desconfortável, pelo contrário. Estou dentro da minha casa. Vou e pretendo continuar usando", concluiu a confeiteira.

Direitos da mulher