PUBLICIDADE

Topo

Papo de vagina

Segue o fluxo: como o seu ciclo menstrual afeta o tesão

Alterações hormonais que fazem parte do seu ciclo menstrual interferem diretamente na sua libido  - Priscila Barbosa
Alterações hormonais que fazem parte do seu ciclo menstrual interferem diretamente na sua libido Imagem: Priscila Barbosa

Jessica Arruda

Colaboração para Universa

17/08/2021 04h00

O desejo sexual não é igual para todas as mulheres, mas você já deve ter notado que, em alguns dias do mês, o tesão é muito maior. E tem também aqueles dias em que sexo nem passa pela sua cabeça. Todo esse vaivém acontece por causa das alterações hormonais que fazem parte do seu ciclo menstrual e que interferem diretamente na libido feminina.

Foi justamente observando o sobe e desce da libido que a estudante Maria Eduarda Miguez Salles, de 21 anos, percebeu que a vontade de fazer sexo aumenta consideravelmente nos dias que antecedem a menstruação e também nos dias que se seguem depois que o período termina. "Dá uma diferença sim: mais vontade, mais desejo e a relação sexual é mais prazerosa. Já identifiquei também que a vagina fica mais receptiva, como se a lubrificação natural aumentasse", diz a carioca.

Com ciclo de 28 dias, Maria Eduarda notou também que a sua libido baixa consideravelmente quando está com tensão pré-menstrual (TPM). O inchaço nos seios, o cansaço e a irritabilidade do período influenciam na vontade de transar: em um dia está indisposta, e no outro, com tesão em alta.


De olho no ciclo

Para a escritora Miranda Gray, autora de best-sellers como "A Mulher Realizada - Como Otimizar o Seu Ciclo Menstrual para Alcançar Sucesso e Plenitude em Todas as Áreas da Sua Vida" (Editora Pensamento), cada mulher tem uma experiência única com seu próprio ciclo menstrual e sexual, mas todas compartilham aspectos em comum. Por isso, prestar atenção no ciclo e nas fases da libido feminina ajuda a entender como a influência hormonal interfere não só no desejo de transar como também no seu dia a dia.

Descubra como o ciclo menstrual pode afetar seu impulso sexual - e como aproveitar melhor cada uma dessas etapas:

Sexo na menstruação

O ciclo começa com o primeiro dia da menstruação: os hormônios, como a testosterona, o estrogênio e também a oxitocina (conhecida como hormônio do amor), começam a aumentar no organismo. Há quem sinta muito prazer neste período e quem não queira nem falar de sexo.

Mesmo com o corpo mais sensível, algumas mulheres não abrem mão do sexo e jogam uma toalha na cama ou aproveitam a intimidade a dois debaixo do chuveiro.

"Nesta fase folicular, a mulher menstrua, o que pode até funcionar como lubrificante para a relação sexual. Mas algumas mulheres têm restrições no período, por causa das cólicas, inchaço ou até mesmo porque se incomodam com o sangue ou o cheiro. A grande maioria não quer saber de sexo porque os hormônios não ajudam muito", diz a fisioterapeuta pélvica, Débora Pádua.

Período fértil: libido em alta

No ciclo menstrual, o pico da libido feminina coincide com o chamado período fértil - quando o corpo se prepara para liberar o óvulo que poderá ou não ser fecundado. Isso acontece por volta do 14º dia após a menstruação, a depender da duração e da regularidade do ciclo de cada mulher. Nesta fase, os altos níveis de estrogênio e testosterona aumentam não só a lubrificação feminina como também o desejo sexual.

"Na fase de pré-ovulação, podemos sentir nossa libido crescendo após a menstruação e ficamos mais confortáveis com nosso corpo, com mais energia física, mentalmente abertas para a diversão sexual e brincadeiras. Na fase de ovulação, nossas energias sexuais podem se tornar mais conectadas com o relacionamento emocional", diz Miranda Gray em entrevista a Universa.

É nesse período que a mulher se sente mais atraente, soltinha e sedutora ao se olhar no espelho. Ou seja, um ótimo momento para liberar as fantasias - sozinha ou acompanhada.


Sem tesão?

A fase pós-ovulação (também chamada de lútea) prepara o útero e o corpo para receber o óvulo fecundado. Quando isso não acontece, começam então os preparativos fisiológicos para a descamação do endométrio - a menstruação propriamente dita. Neste período, outro hormônio entra em cena: a progesterona, que contribui com a diminuição da libido feminina.

"O desejo e a disposição para a relação sexual passam a ser de menor intensidade no fim do ciclo, lá pelo 20º dia, quando os níveis de estrogênio já estão baixos. Precisamos entender que é nesta fase final do ciclo que também ocorrem os sintomas pré-menstruais, como cólicas, dor de cabeça, nas mamas e instabilidade emocional", explica a ginecologista Renata Vittorazzi de Tassis, que também é mastologista do hospital Pérola Byington.

Com o apetite sexual em queda durante a TPM, nada como um programa mais tranquilo e intimista a dois. Um filme açucarado pode render muito mais que boas risadas no sofá. Massagens e brincadeiras eróticas também são bem-vindas.

Anticoncepcional influencia a libido?

A ginecologista Renata de Tassis explica que, além de impedir a ovulação, os anticoncepcionais orais baixam a produção de testosterona - o que, para algumas mulheres, pode significar a queda na libido. Na prática, sem ovular, não há o pico de desejo sexual característico do período fértil.

"Outro fato importante é que a pílula aumenta a proteína transportadora dos hormônios sexuais, a SHBG. Por isso, consegue reduzir a circulação de esteroides livres ocasionando também a diminuição de libido", afirma a médica do hospital Pérola Byington.

No entanto, cada organismo reage de maneira diferente aos métodos anticoncepcionais. Na dúvida, é importante buscar auxílio médico para saber qual método contraceptivo funciona melhor para você —e também para a sua libido.

Papo de vagina