PUBLICIDADE

Topo

Mães e filhos

Grupo de pais do WhatsApp: cortar política e memes evita tretas e climão

Grupo de pais no WhatsApp não pode ser espaço para discussões, mas para troca de informações e dicas - iStock Images
Grupo de pais no WhatsApp não pode ser espaço para discussões, mas para troca de informações e dicas Imagem: iStock Images

Natália Eiras

Da Universa

28/05/2019 04h00

Criar um grupo no WhatsApp reunindo os pais de alunos de uma classe é uma forma prática dos responsáveis estarem por dentro do que acontece no dia a dia das crianças. Porém, à medida que este tipo de ferramenta se tornou popular, algumas pessoas começaram a confundir o que é um grupo de pais e o que é uma conversa de mesa de bar.

Piadas, correntes e polêmicas podem tornar os grupos de WhatsApp um espaço de atrito —e a ideia é integrar os responsáveis para trocar informações úteis. Segundo a quarta edição da pesquisa Escola Digital Segura, elaborada pelo Instituto iStart, 77,7% dos conflitos escolares envolvem o aplicativo. Seis em cada dez colégios já tiveram casos de desentendimentos em grupos formados por mães, pais ou familiares dos alunos. Quer evitar? Universa dá dicas para manter a paz no "zap zap":

1. Posso falar de política, religião e futebol? Não!

Religião, política e futebol não se discute em grupo de pais. "São temas que, conversados em uma mesa de bar, já são polêmicos. Quando não existe a entonação, a fala, esses temas podem causar ainda mais conflitos", diz Thiago Valadares, especialista em comportamento digital e diretor da Seven Grupo Digital. Opiniões pessoais, em geral, são assuntos bastante delicados. "Não existe certo ou errado, então, todos devem ser respeitados. Quando você quer impor a sua visão, invade o espaço alheio", afirma a educadora parental e coach de pais Telma Abrahão.

2. Respeite as regras do grupo

A mão pode chegar a tremer para compartilhar aquele meme ou corrente, mas, caso esse tipo de mensagem não esteja dentro das regras de convivência do grupo, não envie. "O grupo de pais é para pedir a indicação de um pediatra, de uma professora particular. É para avisar que vai atrasar e pedir para alguém falar com a professora. Indicação de serviços, marcar ações sociais para reunir as crianças", lista Telma. A sensibilidade para perceber se as pessoas estariam abertas ou não a memes é importante. "De qualquer forma, é melhor evitar", afirma Valadares.

3. Não se meta onde não é chamado

Respeitar limites é saudável para qualquer tipo de relação, mas principalmente quando estamos falando sobre criação. Cada pai tem uma forma diferente de lidar com diversas situações de criar um ser humano. "A educação dentro de casa é diferente para cada pai. É importante evitar ditar regras, dizer o que o outro deve fazer. Quanto menos opinativo e mais observador você puder ser, melhor", diz Valadares. "Não dê palpite sem saber o que de fato aconteceu, não fale do que você não tem certeza. A maioria dos conflitos surgem quando você dá muitos palpites sobre o que não é um assunto seu", diz Telma Abrahão.

4. Não fale mal dos professores e instituições

Alguns professores têm encarado os grupos de pais no WhatsApp como um pesadelo. Pudera! Em vez de ser uma ferramenta para integrar os responsáveis, este espaço pode virar também um muro de lamentos para que os pais possam desabafar sobre a escola. Os especialistas dizem que é importante evitar falar mal da instituição e dos professores. "É desrespeitoso, porque é preciso você dar a possibilidade deles se defenderem e resolverem o problema", fala Telma. "Deixe a questão com a escola para ser resolvida com ela." "Sempre é bom lembrar que as novas ferramentas devem ser utilizadas para o bem de alunos, pais, professores e escola", afirma a educadora e consultora em Educação Andrea Ramal.

5. Não espalhe informações não confirmadas

Fala-se tanto sobre as notícias falsas sobre governantes e pessoas famosas, mas boatos também podem acabar prejudicando professores, pais e escola. "É importante que as pessoas comentem no grupo de responsáveis somente informações que já foram esclarecidas com a instituição das crianças. A transmissão de mensagens sem embasamento e confirmação pode gerar desentendimentos", diz Andrea.

6. Deixe para resolver desentendimentos pessoalmente

Apesar de todos os esforços para manter a paz, sempre existe a possibilidade de acontecer um conflito em um grupo tão diverso quanto o de responsáveis de alunos de uma classe. O melhor remédio para isso é um papo olho no olho. "Se aconteceu uma briga entre as crianças, houve um atrito entre os pais, o importante é que o assunto seja discutido apenas entre as pessoas envolvidas. E ao vivo", fala Telma Abrahão.

7. Quer sair do grupo? Justifique gentilmente a decisão

Se participar de um grupo de conversa não é a sua praia, não é necessário continuar recebendo as mensagens só para não criar desconforto. "Os pais podem sair, se acharem que é o melhor a fazer, mas é bom avisar os demais da saída, explicando os motivos e destacando que não se trata de desinteresse pelo grupo", afirma Andrea Ramal. "Também compartilhe o seu número de telefone e mostre-se à disposição para uma conversa pessoalmente ou para ser contatado, caso seja preciso", diz Thiago Valadares.

Mães e filhos