PUBLICIDADE

Topo

Relacionamentos

10 sinais de que a comunicação no relacionamento está ruim 

Conversar bem é importantíssimo para o casal - iStock
Conversar bem é importantíssimo para o casal Imagem: iStock

Claudia Dias

Colaboração para Universa

03/03/2019 04h00

Afinidade, respeito, admiração, romance... A lista de características para uma relação se manter firme e forte costuma ser longa, mas nem sempre inclui um item importante: a necessidade da boa comunicação entre o casal.

Mas "boa" de verdade, tá?, porque tem muita gente por aí achando a vida a dois maravilhosa, enquanto o entrosamento transparece algumas falhas. A seguir, listamos uma dezena de situações que dão indícios de que a coisa não anda tão bem assim. De quebra, saiba como mudar o cenário.

1. Os amigos sabem sobre um problema no trabalho. Você não.

Ouvir o parceiro falando a alguém sobre certo estresse profissional e você nem imaginar o que se trata é sinal de que a transparência está falhando. Quando a sós, diga que está sempre disponível para acompanhar tanto as boas notícias quanto as dificuldades. Não cobre; mostre-se receptiva.

2. Falta assunto na hora das refeições

Se as conversas são substituídas pelo smartphone ou pela TV, reaja e faça das refeições momentos para falarem sobre as experiências do dia ou conversarem sobre assuntos agradáveis, o que vai uni-los novamente.

3. Comprar algo caro sem comentar previamente

A vontade de adquirir algo por impulso acontece e pode até ser surpresa para o outro. Só que adquirir algo caro - uma joia, laptop ou mesmo um carro - de uma hora para outra costuma impactar na conta bancária e na vida do casal. Falta de dinheiro é um dos motivos que mais provocam divórcios no mundo e, por isso, planejamento financeiro em conjunto precisa fazer parte do dia a dia da relação.

4. Marcar programa para os dois por conta própria

Aceitar convites sem consultar o outro, mesmo se tiver certeza de que a companhia é agradável, é prova de egoísmo que prejudica o bem-estar geral. Faça sempre uma consulta prévia, no mínimo para checar se o par tem planos pessoais para a data.

5. Falar de certos assuntos dá medo

Se abordar determinados temas é quase pisar em ovos, pelo receio da reação do par, tem coisa errada. Ninguém deve se sentir inseguro, como se vivesse sobre um campo minado. Livre-se desse pavor e passe a se expressar mais. Ou repense se a relação faz sentido.

6. DRs não existem

Discutir a relação o tempo todo é prejudicial, mas não discutir nunca é mais prejudicial ainda. Se os assuntos se limitam a contas, trabalho, filhos e família, deixando de lado a vida a dois, descobre-se aí um sintoma de indiferença conjugal. Uma terapia de casal pode ajudar nesse caso.

7. Aceitar (#sqn) uma traição

A questão não é dizer sim ou não para a relação depois de um trair o outro. Mas se a escolha for positiva, o comportamento precisa ser compatível com a decisão. Não adianta nada dizer que perdoou e, na primeira briga, trazer o assunto à tona. Seja honesta com você mesma e só siga adiante se tiver certeza de ter superado tudo.

8. Nunca fazer concessões

Não abrir mão das suas vontades uma única vez (mesmo que seja algo tão banal como concordar em comer pizza em vez de hambúrguer) é sinal de individualismo extremo. Relacionar-se significa ceder vez ou outra. Conhecer-se melhor (até com ajuda terapêutica) é o primeiro passo para mudar o quadro.

9. Falta coragem para reclamar do sexo

Se a parte sexual da relação já não é a mesma, não há nada de errado em falar abertamente sobre isso. Ao contrário, essa conversa é importante para encontrarem uma saída, juntos. Seguir a rotina insossa apenas para não expor o problema é o que não pode acontecer.

10. Conversar sem olhar nos olhos

Os problemas na relação não se revelam só através da falta de diálogo. Muitas vezes, o próprio corpo mostra que tem algo de errado. A chamada comunicação não-verbal - os gestos, as atitudes ou mesmo o silêncio - pode ser indício de que o relacionamento precisa de atenção especial. Fique mais atenta aos sinais.


Fontes: Cristiane M. Maluf Martin, psicanalista; Margareth Signorelli, precursora no Brasil em coach de relacionamento e Emotional Freedom Techniques; Silvia Donati, personal & professional coach e leader coach pela Sociedade Brasileira de Coaching; Sueli Teixeira, psicóloga e terapeuta familiar.

Relacionamentos