Topo

Mães e filhos


Mães e filhos

Pressão para ser mãe: 6 relatos de mulheres que vivem essa cobrança

Engravidar não devia ser um premissa da vida da mulher adulta - Wikimedia Commons
Engravidar não devia ser um premissa da vida da mulher adulta Imagem: Wikimedia Commons

Julia Arbex

Colaboração para Universa

03/02/2019 04h00

Mulheres são cobradas a pensar sobre a maternidade, a ser bem-sucedidas e atender aos padrões de beleza e sucesso estabelecidos culturalmente. "Por conta desse acúmulo de papéis e pelo alcance do movimento feminista, que luta também pelo direito das mulheres a decidir se e quando serão mães, o cenário está mudando", diz Adriana Bilate de Carvalho, socióloga e professora da UNISUAM (RJ). 

"A pressão para ser mãe acontece porque o cuidar e o amar são responsabilidades culturalmente associadas ao universo feminino. E o homem, quando exerce a ética do cuidado, é parabenizado por fazer aquilo que mulheres fazem todo dia, o tempo todo.

Portanto, a mulher é levada a acreditar que é natural ter essa função de se responsabilizar pelos sentimentos do outro e a crueldade está no fato da maternidade acabar se tornando uma imposição", explica Adriana. Para a psicóloga Ellen Moraes Senra, como a estrutura da sociedade levou séculos para ser construída, infelizmente para desconstruir essa linha de raciocínio deve demorar alguns anos. "Enquanto isso, a única forma viável de lidar com a cobrança pela maternidade é ignorar a pressão e o julgamento dos outros e priorizar os próprios desejos."

E quando só a mulher quer ter filho

"O ideal é não forçar uma situação ou ficar tentando convencer o outro. O melhor a se fazer é tentar descobrir junto com o parceiro se existe a possibilidade de ter uma mudança de opinião. Isso porque muitos fatores podem estar relacionados ao fato de um dos cônjuges não querer ter filhos como, por exemplo, vivências traumáticas na infância, prioridades diferentes, falta de estabilidade profissional e econômica e perda da liberdade", explica Elaine Di Sarno, psicóloga e neuropsicóloga.

Veja depoimentos de mulheres que vivem situações parecidas.

Ele está indeciso

"Começou quando o único irmão do meu namorado faleceu. Começaram a falar que não podíamos esperar mais porque estávamos ficando velhos. No primeiro momento não levei a sério. Mas depois começou a me irritar. A questão é que eu não penso em ser mãe e, assim como respeito a decisão de quem quer ter filhos, espero que respeitem a minha de não tê-los. Estou cansada de ouvir frases como "você vai mudar de vida quando engravidar" ou "quem vai cuidar de você quando estiver velha?" Meu namorado sempre soube o que eu penso sobre ser mãe. Até pouco tempo me apoiava, mas hoje acredito que tenha mudado de ideia. Apesar disso, a pressão o incomodou também" 

Fabiana Rosado, 27 anos, estudante

Engravidou aos 40 anos

"Meu segundo e atual marido sempre insistiu para termos um bebê. Para ele, que já tinha três filhos do primeiro casamento, nossa casa estava muito vazia. Mas eu nunca quis ter essa responsabilidade. Mas de tanto ele falar sobre o assunto, eu cedi. Parei de tomar pílula e engravidei depois de 11 meses, aos 40 anos. Meu filho é minha vida, tudo que tenho de mais valioso. Só que não teria mais um. É difícil cuidar do outro o tempo todo",

Vilma Santa Saragoça, gerente de loja

A sogra insiste

 "Meu namorado tem 34 anos e eu, 23. Estamos juntos há um ano e a mãe dele já fala para termos filhos porque já está ficando velha. Além disso, para ela, o filho já tem idade de ter uma família e eu, que sou nova, aproveitaria mais a maternidade. Eu quero ser mãe e ele quer ser pai. Mas queremos realizar nossos sonhos pessoais primeiro".

Karina Vasconcellos*, 23 anos, estudante

Ele ainda nem pensa nisso

"Eu quero muito ser mãe. Mas como meu marido tem 24 anos, ele ainda não pensa em ter filho. Às vezes, fala que precisamos nos estabilizar antes. Mas eu já tenho 30 anos, acredito que temos condições de ter um bebê e meu relógio biológico está andando. Ele não associa que não temos a mesma idade. Em relação às famílias, a mãe dele diz que não vê a hora de ter uma neta. Já a família do meu pai não perde uma oportunidade para falar que já está passando a hora de eu engravidar. No meu círculo de amizade, a maioria das mulheres engravidou. Já chorei várias vezes por achar que não vai dar tempo". 

Amanda Pacheco*, 30 anos, administradora

Se decidir ter filho, vai adotar um adolescente

"Engravidar nunca esteve nos meus planos. Meu marido também nunca teve o desejo de ser pai. Então, quando nos conhecemos, foi como um "ufa" sobre esse assunto. Já me perguntaram coisas como "você não quer deixar um pedacinho seu na terra quando se for?" ou acusada por 'rejeitar um dom que Deus me deu'. Pode ser que mude de ideia, mas aí adotaria uma criança ou um adolescente. E tem gente que julga até isso. Indignada, uma tia falou que a criança não seria 'sangue do meu sangue', como se o amor de mãe fosse sobre isso". 

Taciana Dias, 35 anos, florista

Nunca quis ser mãe

"Quando era adolescente já dizia que não queria ter filhos. Na época, acreditava que eu não gostava de criança, mas com o tempo descobri que não era essa a questão. Na verdade, eu só não queria ter que cuidar de uma. O tempo passou e, além dessa vontade nunca chegar, acumulei mais um motivo para não querer ser mãe: gosto da minha liberdade. Minha mãe e minha avó falam que eu estou sendo egoísta, que a mulher só está completa quando tem filho, mas não ligo muito. Minha avó, por exemplo, é de outra época, de quando a vida da mulher só tinha sentido se ela casasse e engravidasse".

Flávia Elisa de Oliveira Câmara, 27 anos, barista

*Nomes trocados a pedido das entrevistadas