PUBLICIDADE

Topo

Universa

Presos por homofobia são primeiro casal a oficializar união em presídio

Mikhail Gallatinov e Marc Goodwin, condenados à prisão perpétua, se casaram em um presídio de segurança máxima - Reprodução/The Guardian
Mikhail Gallatinov e Marc Goodwin, condenados à prisão perpétua, se casaram em um presídio de segurança máxima Imagem: Reprodução/The Guardian

Do UOL, em São Paulo

31/03/2015 17h56

Dois presos condenados por homicídio contra homossexuais se tornaram o primeiro gay a se casar em uma prisão. De acordo com o jornal britânico "The Guardian", Mikhail Gallatinov, 40, e Marc Goodwin, 31, se uniram em uma cerimônia modesta em um presídio de segurança máxima britânico.

O casal homossexual é o primeiro a oficializar a união atrás das grades desde uma lei aprovada no ano passado que permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Gallatinov e Goodwin trocaram votos durante a cerimônia de casamento, que foi realizada no presídio Full Sutton, em East Yorkshire, na presença de alguns familiares, presos e quatro funcionários do presídio.

Gallatinov é pedófilo e foi condenado em 1997 por ter assassinado um rapaz que conheceu por meio de um bate-papo gay. Durante o julgamento, o juiz responsável pelo caso, Rhys Davies QC, afirmou que o assassinato foi cruel e muito planejado.

Já seu atual parceiro, Goodwin, foi preso dez anos depois por ter assassinado um homossexual. Na ocasião, a polícia descreveu o crime como um caso “selvagem” de homofobia que resultou na morte de um homem indefeso. Devido à gravidade dos crimes cometidos, o casal foi sentenciado à prisão perpétua.

Uma pessoa que visita a prisão com frequência contou ao "The Guardian" que a relação do casal já era conhecida, pois mesmo vivendo em alas diferentes, eles se encontravam na livraria do presídio para ter relações sexuais.

Atualmente o casal permanece na mesma ala, mas, segundo o porta-voz do sistema presidiário do Reino Unido, eles não têm autorização para dividir uma cela. O porta-voz também garantiu ao jornal britânico que o casamento não teve nenhum custo para os contribuintes.

Universa