PUBLICIDADE

Topo

Universa

Encardiu? Veja como limpar as pedras que revestem pisos e paredes

Para a limpeza periódica, opte por um esfregão ou uma vassoura de cerdas macias - Getty Images
Para a limpeza periódica, opte por um esfregão ou uma vassoura de cerdas macias Imagem: Getty Images

Karine Serezuella

Do UOL, em São Paulo

24/11/2014 07h04

As pedras com acabamento rústico são bastante usadas para revestir paredes e pisos domésticos. Porém, após a aplicação do material rochoso, surge a dúvida: como limpar corretamente, mantendo a superfície sempre bonita? O UOL Casa e Decoração traz dicas práticas de limpeza e conservação, além de listar as características das principais pedras encontradas no mercado. Acompanhe e facilite a faxina!

Como limpar

- As pedras para revestimento mais porosas e com rugosidade demandam limpeza regular e cuidados constantes para evitar o acúmulo de sujeiras. No caso de pisos residenciais, o recomendável é uma varrição diária, usando uma vassoura limpa.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2014/limpeza-de-revestimento-em-pedra-1416331515545.vm')

- Faça também a limpeza periódica (semanal ou quinzenal) dessas rochas, tanto em paredes quanto em pisos, por meio de escovação. Para tanto, utilize esfregões ou vassouras de cerdas macias e uma solução de detergente neutro diluído em água. Evite o excesso de água na lavagem e nunca aplique o detergente diretamente sobre a pedra, porque essas ações podem ocasionar manchas no material.

- O uso eventual - em média, a cada três meses - de lavadoras de alta pressão (sem a adição de produtos químicos) para a higienização mais pesada de superfícies naturais não polidas, por exemplo de granitos e quartzitos, não é contraindicado. Contudo a utilização frequente (para a limpeza cotidiana) desses equipamentos pode levar à desagregação de minerais do material rochoso e comprometer a durabilidade do revestimento. Portanto, moderação no emprego desse recurso é a palavra de ordem.

Produtos vetados

- Nunca faça uso de produtos abrasivos ou quimicamente agressivos como soda cáustica, álcool, querosene, removedores e solventes sobre pedras rústicas. Limpe apenas com agentes que detenham pH neutro. Substâncias ácidas ou alcalinas podem promover reações químicas com os minerais presentes na composição da rocha e resultar na descoloração da superfície, por exemplo.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-lista','/2014/principais-pedras-de-revestimento-1416332141110.vm')

Sujeiras incrustadas

- Óleos, graxas, gasolina, terra, tintas em geral ou outras substâncias como vinagre, limão, refrigerante e vinho tinto, derramados sobre o revestimento, devem ser removidos e limpos com água e detergente neutro com a maior rapidez possível, para evitar o aparecimento de manchas.

- No caso de sujeiras incrustadas, a recomendação é tentar, num primeiro momento, uma limpeza com água e sabão neutro, com o auxilio de escovões com cerdas mais rígidas ou jatos d’água sob pressão. Por exemplo, para limpar a terra acumulada, a orientação é usar uma lavadora com água pressurizada, mas empregada com baixa pressão, de modo a preservar a superfície da rocha.

- Em situações em que a higienização sugeria acima não tenha sido eficaz ou a pedra apresente sujidades profundas, o ideal é contratar uma empresa especializada, com experiência comprovada na limpeza de rochas. Para a remoção de limo, que pode aparecer em áreas sombreadas e/ ou úmidas, de modo geral, o serviço recorre à utilização de água sanitária ou produtos fungicidas. Por outro lado, na retirada de manchas de óleos são usadas substâncias absorventes (em pó ou em emplastos), por vezes com algum solvente associado.

- Precaução: durante a instalação de acabamentos rochosos, a dica é impermeabilizar o verso das placas e a base do revestimento (emboço ou contrapiso), a fim de prevenir manchas ou alterações cromáticas decorrentes da infiltração ascendente de umidade. Em revestimentos sujeitos ao contato com óleos, gorduras ou graxas, aconselha-se também a impermeabilização da superfície com produtos hidro e óleo repelentes.

Fontes: Cid Chiodi Filho, geólogo e consultor da Abirochas (Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais); e Maria Heloisa Barros de Oliveira Frascá, geóloga e consultora sobre rochas ornamentais.

Universa