PUBLICIDADE

Topo

Universa

Escolas e chefs dão aulas de culinária diferentes

A cozinha do chef João Belezia, que ministra aulas em sua casa - Divulgação
A cozinha do chef João Belezia, que ministra aulas em sua casa
Imagem: Divulgação

CHRIS CAMPOS<br><br/> Colaboração para o UOL

25/09/2007 01h51

Quem gosta de cozinhar está sempre de caderninho em punho, disposto a aprender novas receitas e truques. E também adora falar sobre comida, ter platéia para aprovar seus quitutes, interagir com outros fãs das panelas - está aí a maior graça desse negócio. Para agradar público tão disposto, é preciso inovar sempre. É o que fazem escolas de culinária que têm no apelo do diferente o principal atrativo.

Na pequena e simpática Madame Aubergine, fincada numa rua minúscula do Itaim Bibi, em São Paulo, as aulas têm jeito de farra entre amigos. A começar pelo cenário. No espaço, que acaba de completar um ano sob o comando da chef Cris Maccarone e da empresária Marisa Furtado, o clima é totalmente "lá em casa". É entrar para sentir-se acolhido de cara. Na "sala", rolam eventos variados e, na cozinha, no andar de cima, são ministradas aulas coletivas que sempre terminam na mesa de jantar. As sócias-amigas gostam de chamar as aulas de saraus gastronômicos, o que deixa no ar um clima ainda mais convidativo. No mês de outubro, as atividades programadas incluem desde uma aula comemorativa sobre berinjelas (ingrediente homenageado no nome da escola) até uma oficina culinária especial para crianças, com receitas inspiradas no Halloween e direito a fantasias de bruxa para entrar no clima da festa.

Já o chef Giuseppe Gerundino, italiano de raiz que resolveu criar sua Accademia Gastronômica há dois anos, no bairro paulistano de Moema, oferece cursos customizados para clientes que assim desejarem. Nestes dias, ele atua como um personal chef, ensinando lições particulares de cozinha ao gosto do freguês. Se você quiser apenas aprender a fazer bolos, assim será. Se quiser incluir, além de você, mais alguém nas aulas, também pode. "É o tipo de curso que interessa muito quem não mora na cidade ou tem interesses muito específicos", explica o assistente de Giuseppe, Rafael Morandi. Outro diferencial da Accademia é o fato de que as aulas são ministradas de um jeito muito descontraído, sem aquele ritual do mestre à frente dos alunos. Por lá, o clima é sempre amistoso e é justamente por isso que quem faz um curso geralmente volta, para aprender outras lições, mas com os mesmos participantes - que não raro acabam virando amigos de cozinha.

Outro chef que adora paparicar os alunos é João Belezia. Arquiteto de formação, ele se dedica às artes culinárias há dez anos. E ministra "Encontros Gastronômicos" em sua própria casa - mais informal que isso, quase impossível. E tem mais, você só coloca a mão na massa se estiver disposto a tanto. Isto porque as aulas são abertas também a pessoas que queiram apenas assistir de camarote, provar os quitutes experimentais e participar do gran finale: o jantar ao término de cada aula.

No álbum de fotos, você confere alguns momentos das aulas e detalhes de cada um das escolas. Para informações detalhadas sobre cursos, acesse o site das escolas.


Chris Campos é jornalista e editora do site Casa da Chris

Universa