PUBLICIDADE

Topo

Universa

Casais de primos de 3º e 4º grau têm mais filhos, diz estudo

08/02/2008 12h59

Um estudo publicado nesta sexta-feira na revista científica Science analisou os registros genéticos da população da Islândia e sugere que casais formados por primos de 3º e 4º grau têm um número de filhos acima da média.

Segundo os especialistas da deCODE, empresa de genética que realizou o estudo, isso pode acontecer porque os primos deste grau de parentesco são mais compatíveis biologicamente.

A pesquisa analisou os dados de famílias islandesas em intervalos de 25 anos, de 1800 até os dias atuais, e identificou um padrão distinto de concepção.

Os cientistas descobriram, por exemplo, que entre 1800 e 1824, casais de primos de 3º grau tinham em média 4.04 filhos e 9.17 netos, comparados com 3.34 e 7.31 para casais de primos acima do 8º grau de parentesco. O mesmo padrão se repetiu nos dados dos períodos entre 1924 e 1949.

De acordo com o estudo, os primos mais próximos e pessoas com graus de parentescos mais distantes não apresentam a mesma vantagem no número de filhos.

Mudanças
Estudos anteriores já haviam demonstrado que casais com algum grau de parentesco tinham mais filhos. No entanto, os resultados não eram muito claros, pois consideravam também fatores como o tamanho das famílias, idade dos casais e outros dados sócio-econômicos que afetavam as análises.

Segundo os pesquisadores, o estudo na Islândia eliminou estas variáveis, pois teve acesso a dados que cobriam dois séculos da história de várias famílias.

Além disso, os cientistas afirmam que, ao longo dos anos, a sociedade e cultura da Islândia se apresentaram bastante homogêneas, o que facilita a eliminação destas variáveis.

Para Lawrence Shaw, um especialista em fertilidade do Bridge Centre, em Londres, a pesquisa levanta a questão sobre a relação da aparente facilidade dos primos em conceber filhos e a possível "tolerância" entre os sistemas imunológicos do casal.

Os cientistas afirmam ainda que a mudança da sociedade de comunidades rurais para áreas urbanas, comum em todo o mundo, poderá reduzir a taxa de natalidade, já que diminui as chances de primos distantes se casarem.

Universa