PUBLICIDADE

Topo

Mães e filhos

O peso da tradição no nascimento de um bebê da Coroa inglesa

Kate e William a caminho da maternidade - Getty Images
Kate e William a caminho da maternidade Imagem: Getty Images

23/04/2018 11h23

William e Kate da Inglaterra podem passar uma imagem de pais modernos, mas o protocolo em torno do nascimento de seu terceiro filho, que veio ao mundo nesta segunda-feira, 23, obedece a tradições ancestrais.

Houve uma época em que o ministro de Interior tinha que assistir ao nascimento do bebê real para garantir sua legitimidade. Essa tradição foi abandonada em 1936, após o nascimento da princesa Alexandra, prima da rainha Elizabeth II.

Veja também

Já William acompanhou o parto, como fez com seus dois primeiros filhos, e como fizeram antes o príncipe Charles (seu pai), ou Albert, marido da rainha Victoria.

A rainha, o primeiro círculo da família real e os pais de Kate foram imediatamente informados.

Em seguida, os súditos de Sua Majestade ficaram sabendo da notícia por meio de uma mensagem publicada no Twitter, de um comunicado à imprensa, e com a proclamação assinada pelos médicos reais e exposta em Buckingham.

Para celebrar a boa notícia, são disparadas salvas de canhão em Londres. A Union Jack deve ser içada em todos os edifícios oficiais.

O secretário privado da rainha informa aos governadores gerais da Commonwealth.

O nome do menino pode levar dias para ser revelado: os britânicos tiveram que esperar uma semana antes de saber o nome de William e um mês para o de Charles.

O de George, primeiro filho de William e Kate, nascido em julho de 2013, tornou-se público dois dias após o nascimento.

Contudo, já se sabe que ele responderá ao tratamento de "Alteza real príncipe de Cambridge".

O bebê será batizado pela Igreja anglicana. George foi batizado pelo arcebispo de Canterbury, na capela real do palácio de St. James, com águas do rio Jordão - onde Jesus foi batizado por João Batista, segundo o Evangelho -, vertida sobre a mesma pia de prata esculpida com ninfeias, utilizada há várias gerações pela família real.

Os bebês reais costumam ter cerca de seis padrinhos.

Mães e filhos