Topo

Mulheres inspiradoras


Mulheres inspiradoras

Opinião: A corajosa viagem de Greta Thunberg pelo Atlântico

Lionel Bonaveture/AFP
Imagem: Lionel Bonaveture/AFP

Felix Steiner

Da DW

15/08/2019 16h15

Para não gerar emissões, a jovem ativista sueca viaja a bordo de um veleiro do Reino Unido até os EUA. Apesar de a atitude gerar reflexão, não se pode esperar que sirva de exemplo para os demais reles mortais.Se Greta fosse realmente um Messias, então ela também poderia andar sobre as águas e a pergunta sobre como ela atravessaria o Atlântico livre de emissões já teria sido respondida. Ela só teria que partir mais cedo, porque mesmo se ela andasse 24 horas por dia (assim como navega agora), ela precisaria de cerca de 60 dias para chegar a Nova York. Ela chegaria então tarde demais à cúpula do clima à margem da Assembleia-Geral da ONU na última semana de setembro.

Como não é um Messias, ela partiu em um veleiro para cruzar o Atlântico. E assim, em primeiro lugar, ela dá uma prova de coragem. Lembro-me muito bem da minha primeira volta de barco no Mar Egeu: no terceiro dia o mar ficou mais agitado, e empalideci sobre a amurada do barco e alimentei involuntariamente os peixes. E, à noite, estávamos de volta ao porto.

A equipe de Greta, por outro lado, navega por cerca de 15 dias e noites ininterruptamente através de um trecho do Atlântico Norte dentro de um navio que não conhece luxo - sem espaço confortável para dormir ou banheiro. Isso não será nada divertido para Greta - pelo contrário! Mas o principal é a neutralidade de emissões. Essa era a condição dela.

E aí esta novamente essa defesa absoluta, radical e inflexível de sua mensagem central, com a qual a jovem de 16 anos, que há um ano ninguém conhecia, consegue reunir agora milhões de seguidores. O fato de as mudanças climáticas terem moldado a agenda política na Alemanha e terem desempenhado um papel maior do que o Brexit ou a política de endividamento italiana nas eleições europeias, não tem somente a ver com a ativista, mas se deve em grande parte a ela.

Ela tem sido chamada muitas vezes de profetisa por causa desse foco em seu tema, ao qual ela subordina todos os demais. De qualquer forma, as igrejas poderiam se dizer contentes se tivessem pessoas com tais dons proféticos e zelo missionário em suas fileiras. O poder de fé do movimento "Fridays for Future" (Greve pelo Clima) deve ser motivo de inveja para o papa (que Greta já conheceu, é claro) e para muitos bispos.

Será interessante observar o que vai acontecer com a relação entre Greta Thunberg e as muitas pessoas, especialmente jovens, que a veneram como ídolo. Impressionantes manifestações semanais são um aspecto. O comportamento de férias e viagens de seus seguidores neste verão europeu, que não mostra nenhuma mudança em relação ao anterior, é outra coisa. A proteção climática não será influenciada apenas por greves de escolas e banners coloridos.

E com isso em mente, surge a questão de saber se a travessia do Atlântico com uma embarcação esportiva de alto desempenho não vai além do seu objetivo. Que Greta Thunberg consiga viajar para os Estados Unidos livre de emissões, tudo bem. Mas ninguém pode esperar seriamente que esse cruzeiro sirva de exemplo para os reles mortais, dadas as condições a bordo do Malizia 2. Ainda é preciso ver se o aparato de relações públicas de Thunberg (com um documentarista próprio a bordo) pode compensar esse déficit.

Como Greta tem sido comparada tantas vezes a uma profetisa e sua mensagem, a uma nova religião, permite-se outra comparação: uma (não somente) nova religião só será bem-sucedida se seus embaixadores forem confiáveis. E historicamente, as religiões sempre foram particularmente bem-sucedidas quando conseguiram se aliar e se arranjar com forças seculares. Em termos democráticos, isso também significa fazer concessões, reconhecer que existem outras necessidades e objetivos justificáveis em vez de impor a sua própria doutrina.

Angela Merkel sempre enfatiza que é preciso pensar as coisas a partir do fim. Ou, de forma menos prosaica, seu antecessor Helmut Kohl afirmava que o que importa é o resultado final. Em outras palavras, isso significa: é de pouca utilidade insistir que uma causa se mantenha pura se ela não tiver um impacto. Mas chegar a consensos de amplo alcance pode até mudar o mundo. De qualquer maneira, vale a pena pensar sobre isso. Greta Thunberg tem agora 15 dias para isso.

Boa sorte, Greta!