Topo

Clique Ciência: é possível gêmeos terem pais diferentes?

Tatiana Pronin

Do UOL, em São Paulo

05/08/2014 06h00

É possível uma mulher ter filhos gêmeos de pais diferentes? Sim, esse fenômeno comum em animais também pode ocorrer em humanos. Embora raros, casos desse tipo passaram a vir à tona com a popularização dos exames de DNA, solicitados quando a diferença acentuada entre os gêmeos gera desconfiança.

A chamada superfecundação heteropaternal depende de uma conjunção de fatores para ocorrer. Em primeiro lugar, é preciso que a mulher libere dois óvulos no mesmo ciclo menstrual. Em segundo, ela deve ter relações com pelo menos dois homens diferentes durante o período fértil (que dura mais ou menos cinco dias). Por fim, é preciso que os espermatozoides de ambos consigam realizar a proeza de fecundar os óvulos e que ambos os embriões se desenvolvam adequadamente.

Há poucos casos desse tipo registrados na literatura médica. E, por motivos óbvios, só a minoria vem a público, como o da americana Mia Washington, divulgado pela rede de TV Fox 4 em 2009. Surpresa com a diferença entre os filhos gêmeos, ela decidiu fazer um exame de DNA e descobriu que as chances de os irmãos serem do mesmo pai era nula. Ela admitiu que estava tendo um caso na época em que engravidou, mas o marido acabou assumindo o filho do amante como dele.

Não se sabe ao certo o que faz uma mulher --assim como fêmeas de diversas outras espécies-- produzirem mais de um gameta em um ciclo reprodutivo. Segundo o médico especialista em reprodução humana Arnaldo Cambiaghi, da clínica IPGO, isso acontece naturalmente, mas pode ser mais comum se a mulher estiver fazendo tratamento com indutores de ovulação. Apesar disso, ele diz que nunca acompanhou um caso de superfecundação heteropaternal.

O médico presenciou, no entanto, a história de um casal homoafetivo feminino que, por necessidade (ou sorte), conseguiu ter gêmeos de mães diferentes. Como a mulher que ficaria grávida só tinha conseguido gerar um embrião, a equipe médica decidiu transferir também um embrião gerado a partir do óvulo da parceira, para aumentar as chances de sucesso do tratamento. Ambos se desenvolveram e, para o casal, o resultado não poderia ter sido melhor.

 

Loteria

É difícil estimar as probabilidades da ocorrência de uma superfecundação heteropaternal. A liberação de mais de um gameta por ciclo menstrual não é algo incomum, dada a quantidade de gestações de gêmeos não idênticos, ou seja, dizigóticos que vemos por aí.

A incidência de gêmeos de qualquer tipo na população geral é de um a cada 80 partos. Já as chances de os gêmeos serem dizigóticos (bivitelinos ou “fraternos”) dependem da idade da mãe (quanto mais velha, maiores as chances), do número de partos anteriores e de eventuais tratamentos para fertilidade, como explica o biólogo Jerry Borges, professor da Universidade Federal de Lavras (UFLA) e especialista em embriologia. "Mulheres brancas têm, em média, um caso de gestação gemelar dizigótica em cada 100 partos. A ocorrência de gêmeos dizigóticos é mais rara em asiáticas (uma para cada 150 gestações) e mais comum em mulheres negras (uma em cada 79 gestações). Em certas áreas da África, inclusive, há um gestação gemelar em cada 20 partos", diz.

Borges lembra que a incidência de mulheres que traem seus parceiros varia muito de acordo com o país e o grupo social analisado, porém alguns estudos indicam uma frequência de 5% a 27% entre mulheres jovens. Por último, ele ressalta que há apenas 10% de chances de um óvulo ser fecundado no período fértil e só uma parte desses embriões consegue se implantar e se desenvolver. Ou seja: ter gêmeos de pais diferentes é quase como ganhar na loteria.

 

Superfetação

Se já é difícil ouvir falar de gêmeos que têm pais ou mães diferentes, imagine de gêmeos com semanas de diferença. Sim, há alguns casos descritos de mulheres que tiveram um óvulo fecundado mesmo já tendo um embrião em desenvolvimento no útero --a chamada superfetação--, mas eles são tão raros que alguns especialistas chegam a questionar sua existência, segundo o professor da UFLA.

Como explica Borges, após a fecundação, os hormônios femininos protagonizam uma verdadeira ação orquestrada para evitar uma nova gestação e proteger a que está em andamento.

Os casos de superfetação, portanto, seriam uma anomalia. Segundo o biólogo, o fenômeno já foi reportado em diversos animais, como texugos, panteras e alguns cangurus. Já entre humanos, há aproximadamente dez casos descritos. O mais famoso deles é da americana Julia Grovenburg, que em 2009 deu à luz duas crianças com duas semanas e meia de diferença.

O fenômeno pode ter relação com tratamentos para estimular a ovulação, capazes de interferir na fisiologia feminina, segundo pesquisadores que estudam o tema. Também pode ocorrer quando a mulher nasce com dois úteros. Qualquer que seja o caso, envolve risco para os fetos e para a mãe, especialmente se uma das gestações ocorrer fora do útero, a chamada gravidez ectópica.

"É provável que haja fatores envolvidos no processo reprodutivo que ainda não compreendemos totalmente", acredita Borges, para quem os estudos com animais podem ajudar a desvendar esse mistério no futuro.
 

Mais Tilt