PUBLICIDADE
Topo

Mãe produz leite diferente para meninos e meninas, diz estudo com vacas

Mais leite para meninas, mais proteína e gordura para meninos - Thinkstock
Mais leite para meninas, mais proteína e gordura para meninos Imagem: Thinkstock

Do UOL, em São Paulo

12/03/2014 06h00

O sexo do filho é um fator determinante para o teor do leite que será produzido pela mãe — e isso, dizem cientistas, inclui humanos e outras espécies de mamíferos.

A evidência mais recente dessa relação é o resultado de um estudo conduzido por equipe liderada por uma bióloga ligada à Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

A pesquisa é destaque no periódico científico PLOS One e mostrou que, no caso de vacas, o sexo do filhote influencia a produção do leite materno assim que o filhote nasce.

O estudo analisou 1,49 milhão de vacas durante o período de dois ciclos de lactação (a produção de leite), cada um com 305 dias de duração. Nesses dois períodos, as vacas produziram, em média, 445 litros a mais de leite quando o filhote era fêmea na comparação de quando o filhote se tratava de um macho.

LEIA MAIS

  • Thinkstock

    Homem tem nariz maior do que mulher porque precisa de mais oxigênio

  • AP Photo/EyePress

    Identificada variante genética que deixa mulher mais baixa que homem

Mas outros estudos também reiteram a relação sexo da cria x leite produzido, mostrando que, geralmente, filhotes machos recebem leite com mais proteína ou gordura em sua composição (logo, capaz de gerar mais energia), e fêmeas, em maior quantidade. O mesmo se repete com humanos e macacos.

A razão ainda não é totalmente conhecida da ciência, e por isso, existem diversas teorias para tal.

Adaptabilidade

"Poderia ter relação com a adaptabilidade da cria, já que no caso das fêmeas, receber mais leite de suas mães as permitia chegar antes à idade reprodutiva", disse a bióloga líder do estudo, Katie Hinde, à agência de notícias AFP.

Para ela, no que diz respeito aos humanos, ainda há muito a se descobrir sobre como a amamentação impacta o desenvolvimento infantil. Saber disso, sugere a bióloga, poderia ajudar no desenvolvimento de fórmulas similares ao leite materno, criadas para suprir a necessidade de gestantes que têm dificuldade em produzir leite.

"Enquanto o aspecto nutricional do leite materno é razoavelmente bem replicado nessas fórmulas, os fatores imunológicos e os sinalizadores hormonais do leite ainda não são", explicou.