Topo

Mercúrio encolheu quatro vezes mais do que pensavam os cientistas

Do UOL, em São Paulo

18/12/2013 06h00

Mercúrio, o planeta do Sistema Solar que está mais próximo do Sol, vem encolhendo a uma intensidade que surpreende cientistas. O fato é tema de pesquisa desenvolvida pelo Instituto para Ciência Carnegie, de Washington (DC), Estados Unidos.

Astrônomos envolvidos na pesquisa afirmam que o encolhimento do planeta é da ordem de 11,4 quilômetros em seu diâmetro, e que ele teria diminuído desde a criação do Sistema Solar, 4,5 bilhões de anos atrás.

Dados de pesquisas anteriores apontavam um encolhimento em apenas dois ou três quilômetros em seu diâmetro.

O encolhimento pode ser identificado a partir da observação do relevo de Mercúrio, repleto de longas fileiras de montanhas curvilíneas. Vistas de cima, essas montanhas tornam o planeta similar a uma maçã em processo de apodrecimento, com "rugas" em sua superfície.

O estudo identificou que há mais dessas montanhas do que se imaginava anteriormente, um indicativo de que o encolhimento do planeta ocorre de forma mais intensa do que se pensava.

Massa coberta por lençol

O encolhimento, de acordo com os pesquisadores, ocorre devido à composição pouco usual do planeta, descrito pelo astrônomo Paul Byrne, envolvido no estudo, como "uma massa de núcleo flutuando no espaço coberta apenas por um fino lençol".

O esfriamento da superfície do planeta (algo que ocorre mesmo com ele próximo do Sol) é que provoca o surgimento dessas "rugas" em sua superfície e, consequentemente, seu encolhimento em relação a suas medidas originais.

O estudo usou dados obtidos pelo equipamento Messenger, da Agência Espacial Norte Americana (Nasa), que desde 2004 orbita o Mercúrio, fotografando e fazendo medições de sua topografia.

Tilt