Parceria entre Microsoft e OpenAI atrai atenção de órgão regulador antitruste do Reino Unido

Por Muvija M e Chavi Mehta

LONDRES (Reuters) - O órgão regulador antitruste do Reino Unido disse nesta sexta-feira que vai analisar se deve lançar uma investigação sobre a parceria multibilionária da Microsoft com a OpenAI, desenvolvedora do ChatGPT, avaliando as operações da gigante de software dos Estados Unidos pela segunda vez neste ano.

A análise considerará se a parceria resultou em uma "aquisição de controle", informou a Autoridade de Concorrência e Mercados (CMA, na sigla em inglês) nesta sexta-feira.

É a segunda vez neste ano que o órgão regulador analisa as questões de concorrência relacionadas às operações da gigante norte-americana de software. A CMA disse que estará analisando se a parceria com a OpenAI resultou na criação de uma situação de fusão, antes de decidir sobre qualquer investigação oficial.

"Recentemente, houve uma série de desenvolvimentos na governança da OpenAI, alguns dos quais envolveram a Microsoft", disse a CMA.

"À luz desses desenvolvimentos, a CMA está agora emitindo um ITC (Convite para Comentário) para determinar se a parceria Microsoft/OpenAI, incluindo os desenvolvimentos recentes, resultou em uma situação de fusão relevante e, em caso afirmativo, o impacto potencial sobre a concorrência."

A velocidade com que o uso da tecnologia de inteligência artificial está crescendo é incomparável na história econômica, enquanto os avanços em modelos de base poderosos, como o que sustenta o ChatGPT, significam que este é um momento crucial no desenvolvimento dessa tecnologia transformadora, disse a CMA.

A mudança ocorre após um anúncio em novembro de que a Microsoft, que se comprometeu a investir mais de 10 bilhões de dólares na OpenAI, assumirá uma posição sem direito a voto no conselho da empresa. Isso ocorreu após uma tumultuada batalha na diretoria, que viu a repentina saída e o retorno do presidente-executivo e fundador da OpenAI, Sam Altman.

A Microsoft possui 49% da empresa, de acordo com fontes familiarizadas com o assunto. A OpenAI tem uma controladora sem fins lucrativos que detém 2%, disseram essas fontes.

Continua após a publicidade

"A única coisa que mudou é que a Microsoft agora terá um observador sem direito a voto no conselho da OpenAI, o que é muito diferente de uma aquisição como a compra da DeepMind pelo Google no Reino Unido", disse o presidente da Microsoft, Brad Smith, em um comunicado, criticando seu principal rival.

Ele disse que a empresa trabalhará em estreita colaboração com a CMA. A OpenAI não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A posição de observador significa que o representante da Microsoft pode participar das reuniões da diretoria da OpenAI e acessar informações confidenciais, mas não tem direito a voto em questões que incluem a eleição ou escolha de diretores.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes