PUBLICIDADE
Topo

Estudo avalia se dispositivos como Fitbit e Apple Watch detectam sinais da Covid-19

Medidas como frequência cardíaca e respiratória podem dar alguns sinais sobre a doença -  Luke Chesser/ Unsplash
Medidas como frequência cardíaca e respiratória podem dar alguns sinais sobre a doença Imagem: Luke Chesser/ Unsplash

Aleksandra Michalska

Em Nova York

23/07/2020 13h59

O Fitbit e outros dispositivos portáteis normalmente vinculados a exercícios estão sendo estudados como formas de identificar pessoas potencialmente infectadas com Covid-19 antes que os sintomas apareçam, quando podem espalhar a doença sem saber.

Alterações na frequência cardíaca, respiratória e outras biometrias medidas usadas pelos dispositivos podem sinalizar os estágios iniciais da infecção pelo vírus, de modo que uma pessoa com aparência saudável sabe se auto-isolar e procurar um teste de diagnóstico Covid-9, dizem os pesquisadores.

"Quando você fica doente, mesmo antes de perceber, seu corpo começa a mudar, seu batimento cardíaco aumenta", disse o professor Michael Snyder, da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford.

Os pesquisadores estão entre vários grupos que examinam se dispositivos de fitness portáteis, como o Fitbit ou o Apple Watch, podem fornecer um alerta precoce. A equipe de Snyder inscreveu 5 mil pessoas no estudo e estudou dados históricos de smartwatch de 31 usuários que testaram positivo para Covid-19.

Desses 31, todos os dados indicaram infecção antes do aparecimento dos sintomas. Os dispositivos captaram os sinais de infecção mais cedo - antes dos sintomas - em média em três dias.

Em um caso, a equipe de Snyder descobriu que um smartwatch era capaz de detectar o primeiro sinal de possível infecção nove dias antes dos sintomas mais óbvios serem relatados.

"Podemos dizer quando alguém fica doente antes dos sintomas. Isso é super poderoso", disse Snyder. "Você pode dizer às pessoas para ficar em casa. Não saia, infectar outras pessoas."

As grandes empresas de tecnologia esperam que os relógios inteligentes possam substituir as vendas mais lentas de suas principais ofertas, com um argumento aos consumidores de que os aparelhos portáteis podem melhorar seu estilo de vida. O Apple Watch foi considerado o maior sucesso do setor, com o Google concordando em comprar o Fitbit no ano passado por 2,1 bilhões de dólares na esperança de recuperar o atraso.

A Fitbit está conduzindo sua própria pesquisa sobre como seus dispositivos podem ajudar na detecção precoce do Covid-19, envolvendo 100 mil pessoas nos EUA e Canadá, incluindo 12 mil diagnosticadas com o vírus.

Os fabricantes de dispositivos também estão estudando possíveis sinais precoces de infecção por Covid-19 entre atletas profissionais que usam rastreadores de fitness personalizados, como Whoop, uma pulseira e Oura, um anel usado em seu dedo.