China identifica espiões pelo modo de andar: como a IA mudou a vigilância

As autoridades norte-americanas e chinesas estão sempre concentradas na coleta de informações sobre as capacidades militares de cada um —recentemente um balão espião da China foi derrubado pelos EUA. E agora surge também a desconfiança de que usam a inteligência artificial para espionagem.

Ambos os países correrem para desenvolver suas próprias ferramentas de IA, mas a China já consegue identificar pessoas só pela maneira de andar. Isso tornou mais difícil para os EUA fazer agentes norte-americanos circularem livremente no país oriental.

Reconhecimento de caminhada

Um ex-oficial da inteligência dos EUA relatou ao The New York Times que a China possui um software de inteligência artificial que pode, além de reconhecer rostos, detectar o andar de um espião norte-americano. Isso significa que os disfarces tradicionais não são mais suficientes para evitar uma provável detecção no país.

A ferramenta de vigilância chamada de "gait recognition" (reconhecimento de caminhada, em tradução livre) começou a ser implantada em meados de 2018.

No geral, a China usa esse tipo de IA para reconhecer criminosos em multidões. Porém, considerando o contexto histórico de competição tecnológica e disputa geopolítica, esse emprego da tecnologia poderia substituir os próprios confrontos armados, a exemplo da corrida espacial durante a Guerra Fria.

Ainda segundo o jornal, Dennis Wilder, ex-analista de inteligência dos EUA sobre a China e pesquisador sênior da Universidade de Georgetown, disse que uma das principais prioridades das agências de inteligência chinesas é entender as intenções dos líderes norte-americanos.

Eles procuram planejamento e intenções. O que o secretário de Estado está realmente pensando? O que ele está realmente fazendo? Quais são as operações que a CIA está tocando?

O governo dos EUA estende o alerta a países aliados, afirmando que as capacidades de vigilância eletrônica da China podem se expandir se as nações do mundo utilizarem tecnologia das empresas de comunicações chinesas.

Tecnologia, balões, hackers e informantes

China lamentou "entrada acidental" de balão nos EUA
China lamentou "entrada acidental" de balão nos EUA Imagem: Reuters
Continua após a publicidade

O sobrevoo de um balão chinês nos EUA em fevereiro levantou questões sobre quais métodos o gigante asiático usa para coletar informações de outros países.

Em termos de espionagem, as principais queixas dos norte-americanos em relação a Pequim são:

  • o hackeamento de sistemas de computadores de países rivais para obter segredos industriais e comerciais;
  • cidadãos chineses vivendo no exterior para espionar e roubar tecnologias sensíveis;
  • o estabelecimento de vínculo com personalidades políticas e econômicas de alto nível;
  • e espécies de "delegacias de polícia" escondidas nos EUA e em outros países.

*Com informações da AFP

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes