PUBLICIDADE
Topo

Internautas registram explosão de bola de luz esverdeada no céu da Turquia

O tom esverdeado do céu provocado pelo meteoro pode ter sido causado pela quantidade de níquel contido na rocha espacial - Reprodução/Twitter/@Aladdin_Hu_Me
O tom esverdeado do céu provocado pelo meteoro pode ter sido causado pela quantidade de níquel contido na rocha espacial Imagem: Reprodução/Twitter/@Aladdin_Hu_Me

Colaboração para o UOL, em Santos

04/08/2021 13h40

Uma bola de fogo esverdeada iluminou os céus de Izmir, na Turquia, no último sábado. Internautas publicaram diversos vídeos nas redes sociais, mostrando o momento em que a esfera explode quando parece se aproximar da cidade.

Em seus posts, os internautas levantaram diversas teorias da conspiração sobre naves alienígenas e armamento orbital avançado. Mas um proeminente astrofísico esclareceu que a bola de luz esverdeada, na verdade, se tratava de um meteoro incomum, que foi incinerado ao entrar na atmosfera terrestre.

"A explosão foi provavelmente causada por um meteoro típico que se aproximou além da conta e conseguiu sobreviver por mais tempo e chegar mais perto da Terra do que uma rocha espacial média", explicou em um post no Twitter o astrofísico e diretor associado do Observatório da Universidade de Ege na Turquia, Hasan Ali Dal.

Ele acrescentou que esse tipo de explosão, embora certamente dramática, pode ser esperado nesta época do ano, quando tem início a temporada anual da chuva de meteoros Perseidas.

O nome Perseidas é derivado de Perseu, semideus e herói da mitologia grega. A chuva de meteoros recebeu este nome porque, durante o fenômeno, ela parece surgir da constelação de Perseus.

Quanto à razão da explosão ter iluminado o céu de verde, o astrofísico diz que é possível que tenha acontecido devido a uma quantidade elevada de níquel contida na rocha espacial.

"Mas também pode ter sido resultado das condições atmosféricas, ou mesmo um efeito ótico criado pelas câmeras que capturaram o evento - embora os múltiplos ângulos da explosão, todos mostrando a mesma tonalidade estranha, provavelmente tornem essa explicação menos provável", conclui Ali Dal.