PUBLICIDADE
Topo

Quanto tempo é 'mó cota'? Alemã viraliza ao mostrar expressões de SP

Comediante alemã Lea Jahn, 26, vive no Brasil há quatro anos - Arquivo pessoal
Comediante alemã Lea Jahn, 26, vive no Brasil há quatro anos Imagem: Arquivo pessoal

Priscila Carvalho

Colaboração para Tilt, em São Paulo

28/07/2021 04h00

Se perguntassem quanto tempo é "mó cota" você saberia a resposta? Provavelmente, não. E foi pensando nessa gíria e em outras típicas da cidade de São Paulo que a comediante alemã Lea Jahn, 26, fez um vídeo que viralizou no TikTok, e também anda circulando pelo Instagram. A postagem original conta mais de 10,1 milhões de visualizações e dois milhões de curtidas.

Morando há quatro anos e meio no Brasil, Lea tem transformado o seu dia a dia no país em conteúdo para internet. Antes de se mudar para cá, ela já fazia alguns shows de stand up comedy em inglês e alemão, mas contou a Tilt que aprendeu o português para tentar ganhar espaço em eventos nacionais ao viver aqui. "Eu comecei a fazer comédia e depois fui fazer vídeos nas redes", conta.

A mudança para o Brasil foi decidida após conversa com o marido brasileiro, que conheceu na Nova Zelândia. No vídeo viral, que tem o título "13 milhões de pessoas em São Paulo e todo mundo está com pressa", ela fala sobre a vida do paulistano e expressões típicas da rotina de muitos que vivem na cidade. "Essas gírias não fazem sentido. Eu peguei algumas com o meu marido, com meus amigos e pensei em fazer um vídeo", afirma.

Lea também brinca com o fato de o brasileiro colocar muitos ingredientes no cachorro-quente, como ovo de codorna. Mesmo não sendo um costume paulista — é carioca —, ela conta que nunca viu isso. "O brasileiro sempre dá um update [modernizada]", diz rindo.

Em outra cenas, ela "questiona" por que o bairro de Pinheiros, na zona oeste da capital paulista, não tem as árvores Pinheiros? E por que a Bela Vista, no centro de São Paulo, é feia?

Sem redes sociais na Alemanha

Desde as primeiras publicações, ela começou a ganhar muitos seguidores em quase todas as suas redes sociais. No Instagram, antes dos vídeos ficarem famosos, ela tinha 30 mil integrantes. Hoje, já conta com pouco mais de 400 mil.

Já no TikTok, ela tem um milhão de seguidores. Os vídeos por lá somam 14,2 milhões de curtidas. Segundo a jovem, todo o crescimento foi orgânico.

Mas quem vê a comediante com desenvoltura na internet, nem imagina que Lea não tinha nem redes sociais quando morava na Alemanha. O motivo, de acordo com a jovem, é que no país é muito comum os cidadãos terem receio de roubo de dados ao compartilhar conteúdos em diversas redes. "Existia uma rede social entre os estudantes. E eu nunca gostei tanto de ficar online, por conta da privacidade."

Essa realidade mudou depois que Lea viu que era possível levar o seu trabalho de comediante para diversas redes aqui no Brasil. Hoje, ela ganha visibilidade, faz eventos e ainda recebe pedidos de parcerias e publicidades. "Tem que ter um portfólio", destaca.

Brasil na visão de uma estrangeira

Mesmo tendo viralizado com o vídeo sobre a rotina agitada de São Paulo, essa não foi a primeira uma publicação dela teve sucesso. O primeiro conteúdo de mais destaque foi publicado em fevereiro de 2020. Nele, ela faz um show stand up falando sobre expressões brasileiras que não fazem sentido para os estrangeiros como: "a gente vai se falando" e "aparece lá em casa".

"Quando algum amigo falava para eu ir na casa dele, eu já queria marcar, pegar a agenda. E vi que eles falavam por falar só. Depois que comecei a entender", diz.

Um outro quadro que fez sucesso no TikTok é o "Como gringa explica", que reúne vídeos em que Lea comenta a visão de uma estrangeira sobre palavras ou hábitos brasileiros. Um deles é o bolo no café da manhã. Para ela, a comida é comum em aniversários e não na refeição logo cedo. "Muitas coisas os brasileiros não reparam. Você precisa ter um olhar de fora para fazer graça", afirma a comediante.

Em um outro vídeo dentro desse tema, ela responde o que significa frentista. "Acho uma palavra chique", brinca ela no vídeo, que já tem mais de 45,4 mil curtidas.

Processo de criação

Para ter ideias sobre os conteúdos virais nas redes sociais, ela conta com a ajuda do marido, que nasceu no Brasil e conhece muitas curiosidades sobre São Paulo. Isso também ocorre quando eles vão para outras cidades brasileiras. "Com as diferenças culturais, as piadas acontecem no dia a dia", destaca Lea.

Quando questionada sobre quanto tempo é "mó cota", expressão que abriu essa matéria, ela se esquiva. "Pelos comentários que eu tenho recebido, cheguei a conclusão que varia de situação para situação", responde rindo. Ela nunca havia recebido essa pergunta.

A produtora de conteúdo alemã ainda destaca que o brasileiro é mais fluido quando envolve o quesito tempo, inclusive nos atrasos em compromissos. No começo, quando combinava com as pessoas um encontro e elas chegavam atrasadas, a comediante ficava chateada, já que o hábito é desrespeitoso na Alemanha. Ela também brinca com um fato de os brasileiros também combinam de ir um na casa do outro, mas ninguém, de fato, aparece.

"Na Europa, se você convida, tem que ir mesmo", ressalta.

Hoje, ela e o marido trabalham 100% com comédia e produção de conteúdo. "Demorou um pouco, mas hoje vivemos só com a arte." Ela também tem uma página nas redes sociais, na qual ela ensina aulas de alemão de forma divertida.

E os haters?

Desde o início dos vídeos, Lea diz ter recebido poucos comentários de haters atacando seu trabalho. De qualquer forma, é comum receber ataques, mesmo que sejam leves.

Uma vez, no vídeo que viralizou sobre São Paulo, ela recebeu mensagem de algumas pessoas que achavam errado uma estrangeira falar mal da Bela Vista, sendo que nem conhecia o bairro direito.

Sobre isso, Lea afirma que encara como algo natural, já que ela mesmo sabe que na internet terá de tudo. "É simplesmente uma visão diferente. Não estou falando que é bom ou ruim. Só um outro ponto de vista", conclui.