PUBLICIDADE
Topo

'Hubble está de volta': agências espaciais celebram retorno do telescópio

Telescópio Hubble - Divulgação/Nasa
Telescópio Hubble Imagem: Divulgação/Nasa

De Tilt, em São Paulo

16/07/2021 11h24Atualizada em 16/07/2021 19h00

Depois de mais de um mês inoperante, a Nasa conseguiu fazer o telescópio Hubble, em órbita desde 1990, voltar a ficar online. O próximo passo é monitorar o hardware e o sistema de backup do equipamento para garantir que tudo esteja funcionando corretamente, afirmou a agência espacial dos Estados Unidos nesta sexta-feira (16).

Se tudo ocorrer bem, logo mais ele voltará ao seu papel histórico de permitir observações científicas do espaço.

"A equipe também iniciou o processo de recuperação dos instrumentos científicos fora de sua configuração de modo de segurança. Espera-se que esta atividade leve mais de um dia. A equipe irá então realizar algumas calibrações iniciais dos instrumentos antes de retomar as operações científicas normais", explicou a agência em comunicado em seu site.

"Estamos extremamente felizes em anunciar que o Hubble está de volta online! Parabéns a toda equipe que trabalhou ininterruptamente para que isso acontecesse", comemorou a ESA (Agência Espacial Europeia) em uma publicação no Twitter.

O que aconteceu com o Hubble

O problema do Hubble foi detectado na Unidade de Controle de Energia (PCU) do dispositivo. A peça fica localizada no computador de carga útil do telescópio que garante que cada pedaço do hardware receba suprimento constante de energia. A PCU contém um regulador de energia que fornece 5 volts constantes de eletricidade para o computador de carga útil e sua memória.

O que aconteceu, segundo a agência espacial, foi que o nível de tensão do regulador ficou muito baixo, o que significa que a peça pode ter se degradado com o tempo. Sem a carga de energia necessária para operar, o computador recebeu instruções para interromper suas operações. A falha foi identificada no dia 13 de junho.

"Uma série de testes, que incluíram a tentativa de reiniciar e reconfigurar o computador e o computador de backup, não tiveram sucesso, mas as informações obtidas por meio dessas atividades permitiu à equipe do Hubble determinar que a possível causa do problema foi a PCU", descreveu a Nasa em sua página oficial.

A troca da peça começou ontem (15).

Em 2008, Nasa realizou uma mudança semelhante nos equipamentos do Hubble, quando outra parte do computador de carga útil falhou. Uma missão de serviço em 2009 substituiu toda a unidade que contém o computador com peças dos anos 1980.

Na época, cinco astronautas viajaram por 570 km de altitude para instalar o "novo" computador, baterias e instrumentos científicos.

Resiliência

Foto tirada pelo Telescópio Hubble da Nebulosa de Órion, local de nascimento de estrelas - Reprodução/@NASAUniverse/Twitter - Reprodução/@NASAUniverse/Twitter
Foto tirada pelo Telescópio Hubble da Nebulosa de Órion, local de nascimento de estrelas
Imagem: Reprodução/@NASAUniverse/Twitter

O telescópio revolucionou a astronomia e permitiu à humanidade enxergar alguns dos mistérios do universo, como buracos negros, o Sistema Solar, a Via Láctea e outras galáxias distantes.

O Hubble já realizou mais de 1,5 milhões de observações do universo. Seus dados já renderam mais de 18 mil artigos científicos pelo mundo.

Seu tempo de vida em órbita já ultrapassou muito as expectativas dos cientistas. Nos últimos anos, ele superou uma série de falhas técnicas. Entre 1993 e 2009, a Nasa enviou cinco missões de resgate até o telescópio e fez uma série de reparos à distância.

Em outubro deste ano, a agência espacial pretende lançar um companheiro para o "velhinho", o Telescópio Espacial James Webb, que continuará expandindo o legado do Hubble.

*Com texto de Letícia Naísa