PUBLICIDADE
Topo

YouTube retira vídeo com ataques ao STF do canal de Daniel Silveira

Daniel Silveira - Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/republica/daniel-silveira-deputado-ataca-ofende-ministros-stf/  Copyright © 2021, Gazeta do Povo. Todos os direitos reservados.
Daniel Silveira Imagem: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/republica/daniel-silveira-deputado-ataca-ofende-ministros-stf/ Copyright © 2021, Gazeta do Povo. Todos os direitos reservados.

De Tilt, em São Paulo

17/02/2021 16h17Atualizada em 17/02/2021 16h53

O YouTube retirou o vídeo do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) em que são feitos ataques do STF (Supremo Tribunal Federal) e aos ministros da Corte do canal do político na plataforma. O motivo alegado foi violação da "política do YouTube relativa a assédio e bullying".

Ao acessar o link do vídeo no canal do deputado fluminense, um player de vídeo preto, com um ponto de exclamação e a mensagem "este vídeo foi removido por violar a política do YouTube relativa a assédio e bullying" são exibidos, além de um link para a política da plataforma.

Em comunicado enviado a Tilt sobre o ocorrido, o YouTube informou que não comenta casos específicos. No entanto, a plataforma ressaltou que "é uma plataforma de vídeo aberta" e que "qualquer pessoa pode compartilhar conteúdo, que está sujeito a revisão de acordo com as nossas diretrizes da comunidade".

No caso de alguém encontrar algum conteúdo em desacordo com as políticas, poderá fazer uma denúncia e a equipe da companhia fará uma análise do material. "Quando não há violação à política de uso do produto, a decisão final sobre a necessidade de remoção do conteúdo cabe ao Poder Judiciário", diz o comunicado.

Silveira teve sua prisão expedida ontem (16) pelo ministro do STF Alexandre de Moraes justamente pelo vídeo contendo ataques ao Supremo. Na peça, o deputado mira especialmente o ministro Edson Fachin, que subiu o tom contra o ex-comandante do Exército, Eduardo Villas Bôas.

No pedido de prisão, Moraes ainda determinou que o YouTube deveria bloquear a disponibilização do vídeo na plataforma, sob pena de multa diária de R$ 100 mil em caso de descumprimento.

Porém, o vídeo de Silveira falando do cumprimento da ordem de prisão continua no ar. No vídeo de 2min11, o deputado do PSL diz que colocará os ministros do STF nos seus "devidos lugares" e fez críticas a atitude de Alexandre de Moraes.

Hoje, o plenário do Supremo manteve por unanimidade a prisão preventiva de Daniel Silveira e a PGR (Procuradoria-Geral da República) apresentou denúncia contra o parlamentar.