PUBLICIDADE
Topo

Com mais tela e menos bateria, Xiaomi Mi Smart Band 5 chega ao Brasil

Pulseira inteligente Mi Band 5 da Xiaomi - Divulgação
Pulseira inteligente Mi Band 5 da Xiaomi Imagem: Divulgação

Saulo Pereira Guimarães

Colaboração para Tilt

29/07/2020 16h40

Sete novos aparelhos da Xiaomi chegaram oficialmente ao Brasil nesta quarta-feira (29). Para os fãs da marca chinesa, os produtos mais aguardados são as populares pulseiras fitness Mi Smart Band 5, por R$ 499, e o smartphone intermediário de ficha técnica forte Redmi 9, por R$ 1.899.

Com bateria prevista para durar até 14 dias e carregador magnético, a Mi Smart Band 5 tem tela Super Amoled de 1,1 polegada sensível ao toque. À prova d'água, o aparelho tem resistência para até 5 atm —ou seja, aguenta até 50 metros debaixo d'água.

Na comparação com a Mi Band 4, a tela cresceu só um pouco (tinha 0,95 polegadas), manteve a resistência e perdeu um pouco de bateria —o modelo antigo prometia 20 dias de uso. Vale reforçar que esse tempo é uma média da empresa e pode variar conforme a intensidade do uso.

A Mi Smart Band 5 oferece a opção de sugerir exercícios de respiração ao perceber que os níveis de estresse do usuário estão altos. Conta ainda com um monitor de ciclo menstrual e mede o nível de intensidade de ioga, bicicleta ergométrica e outros nove tipos de atividades físicas.

Com foco no custo-benefício, a Mi Smart Band 4C tem tela um pouco menor que o modelo mais caro (1.08 polegada) e menos recursos, mas é R$ 200 mais barata.

Xiaomi Redmi 9 - Divulgação - Divulgação
Xiaomi Redmi 9
Imagem: Divulgação

Já o novo smartphone da Xiaomi é um aparelho da linha intermediária da empresa. A tela de 6,53 polegadas tem definição Full HD+ e as câmeras traseira de 13 MP e frontal de 8 MP contam com inteligência artificial e outros recursos para otimização de imagens.

Com processador Mediatek Helio G80, de oito núcleos, o celular vem ainda com 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento, números comuns no segmento dos intermediários. A bateria é mais generosa: de 5.020 mAh, sua duração promete ir até dois dias. Há ainda um sensor biométrico na traseira do aparelho. O Redmi 9 é oferecido nas cores cinza, roxa e verde.

Chromecast chinês?

Outros produtos do dia foram a pulseira Band 4C, os fones de ouvido Mi True Wireless Earphones 2 Basic, o aparelho para televisão Mi TV Stick, o conjunto de sensores para a casa Mi Smart Sensor Set 2 e o roteador Mi Router 4A Giga Version. Todos já estão à venda no site da empresa no Brasil.

Concorrente direto do Google Chromecast e outros dispositivos do tipo, o Mi TV Stick é do tamanho de um pendrive, custa R$ 499 e permite que o usuário acesse Amazon Prime, Netflix e outros serviços online na TV, além de espelhar na tela o que vê no smartphone.

Já o Mi True Wireless Earphones 2 Basic (R$ 399) traz avanços em relação à sua primeira versão, como microfones duplos para redução de ruídos e falantes maiores para graves mais profundos.

Fechando a lista, o Mi Smart Sensor Set 2 reúne no pacote (R$ 999,99) dois sensores de presença, dois sensores de abertura para portas e janelas e um controle, enquanto o roteador de wi-fi Mi Router 4A Giga Version (R$ 399,99) possibilita até 128 conexões simultâneas por meio da tecnologia 802.11ac.

A pandemia do novo coronavírus fez com que a Xiaomi batesse em junho a meta de igualar a receita com a venda de smartphone com o valor obtido com outros aparelhos, inicialmente prevista para o fim do ano.

Como exemplo, a empresa diz que desde abril, o produto mais vendido da marca no país é a Mi Body Composition Scale 2, uma balança capaz de monitorar peso, massa óssea, idade corporal e outros dez indicadores. Itens como o Mi TV Box e lâmpadas inteligentes também registraram aumento das vendas durante a quarentena.