PUBLICIDADE
Topo

Já lavou as suas mãos hoje? Google homenageia médico defensor da prática

Google faz homenagem ao médico Ignaz Semmelweis e os benefícios da higienização das mãos - Divulgação
Google faz homenagem ao médico Ignaz Semmelweis e os benefícios da higienização das mãos Imagem: Divulgação

Da ANSA

20/03/2020 09h58

Nesta sexta-feira (20), o Google decidiu homenagear o médico húngaro Ignaz Semmelweis, primeiro defensor da importância de lavar as mãos, com seu doodle.

Semmelweis chegou a ser internado em um manicômio, no fim de sua vida, por conta da descrença que recebia de seus pares— mesmo tendo sido o responsável por diminuir inúmeras mortes de mães e crianças em maternidades pela chamada "febre puerperal".

Nascido em 1818, ele fez a descoberta de que a ausência de higiene dos médicos causava a doença em 1847 ao analisar um grupo de médicos homens e um grupo de parteiras, que atuavam no nascimento de crianças no mesmo hospital.

Acidentalmente, o húngaro percebeu que a infecção que causava a morte das mulheres após o parto era a mesma que ele viu acontecer com médicos que faziam o exame de cadáveres. Com isso, percebeu que a falta de limpeza das mãos era o que causava a infecção - já que muitos dos médicos faziam o exame dos cadáveres e já iam para as salas de parto.

Entre as parteiras, a taxa de morte era muito menor, pois elas não tinham essa outra função.

Então, Semmelweis fez um teste prático e colocou uma bacia com uma solução de cloro para que os médicos desinfetassem as mãos antes de realizarem o parto, provocando uma redução de 90% das mortes no hospital. No entanto, por conta da descrença dos colegas, ele precisou voltar para sua terra natal e foi internado após ser enganado por alguns amigos, que disseram que o levariam para uma visita ao manicômio para verificar as condições de saúde do local.

Semmelweis faleceu aos 47 anos, em 1865, sem ver a importância de sua medida na prática. Hoje, no entanto, a medida tão defendida pelo médico húngaro é uma das mais fundamentais para evitar a transmissão do novo coronavírus (Sars-CoV-2), que já infectou mais de 245 mil pessoas no mundo, matando 10.031.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS