Topo

5 coisas que você precisa saber sobre o Galaxy Note 10

Rodrigo Trindade

Do UOL, em São Paulo

07/08/2019 21h09Atualizada em 11/08/2019 15h20

Resumo da notícia

  • Galaxy Note 10 e 10+ marcam a primeira vez que linha ganha duas opções
  • Zoom sonoro, que permite melhorar áudios, é uma inovação deste ano
  • Modelo bate recorde de tela na Samsung; S Pen ganhou controle por gestos
  • Note 10 ganhou preço menor que Note 9; perda da entrada para fone foi bola fora

Pela primeira vez, a linha de celulares Galaxy Note da Samsung será uma "família" com dois modelos de tamanhos diferentes: os novos Galaxy Note 10 e Galaxy Note 10+, anunciados na quarta-feira (7). No Barclays Center, em Nova York, a empresa sul-coreana trouxe inovações para sua linha top de celulares, a maioria delas boas, mas teve uma novidade que não nos agradou.

Se você perdeu a apresentação, não se preocupe. O UOL Tecnologia assistiu tudinho e selecionou as cinco novidades mais relevantes da vez.

1) Zoom sonoro

A princípio, as câmeras dos novos celulares não evoluíram muito em relação ao Galaxy S10+, embora o Note 10+ tenha um sensor Time of Flight, criado para mapear cenários em três dimensões e melhorar a profundidade das imagens. No entanto, uma nova função para as gravações de vídeos nos chamou a atenção: o recurso Zoom In Mic, ou zoom sonoro.

Na prática, ele permite uma captação de som mais precisa quando você usa o zoom da câmera. Funciona da seguinte maneira: quando você inicia uma filmagem e aproxima a imagem de um ponto específico com o zoom, os celulares da família Note 10 usarão um microfone direcional para gravar o som do lugar onde você está apontando as lentes, minimizando o ruído ambiente.

Uma situação hipotética é você levar o celular para o estádio em um jogo de futebol e filmar uma cobrança de pênalti. O microfone captaria melhor o som do jogador batendo na bola e a rede balançando --ou o goleiro espalmando-- em vez de só registrar o grito da torcida.

2) Cara nova e telona

Em fevereiro, a Samsung revelou, entre outros aparelhos, o Galaxy S10 5G. Com 6,7 polegadas, ele superou a tela de 6,4 polegadas do Galaxy Note 9, que era o smartphone grandalhão da empresa sul-coreana. Desde então, o Galaxy A80 se igualou ao S10 5G na liderança, mas os dois perderam o trono nesta quarta-feira para o Galaxy Note 10+, que chega com uma tela de 6,8 polegadas.

Apesar do recorde, o novo smartphone não é um trambolho, muito pelo contrário. Enquanto o Note 9 chegou a nos incomodar por ser pesado, o Note 10+ perdeu peso apesar de ser milímetros mais largo e comprido. Aí você nos pergunta: como a tela cresceu? O novo celular tem uma proporção de tela melhor, trazendo bordas bem discretas no topo e na parte de baixo do visor.

O design também mudou: a câmera agora é um "furo" na tela, seguindo a tendência da família Galaxy S10, só que posicionada no centro do display e não no canto superior direito. Na traseira, as três câmeras estão dispostas na vertical --uma diferença para a câmera dupla na horizontal do Note 9.

3) Controle por gestos com a S Pen

Em vez de ser um simples dispositivo para desenhos, a S Pen ganhou mais funcionalidades no ano passado, com o Note 9. Equipada com Bluetooth, ela servia como um controle remoto para quem queria tirar fotos sem estar com o celular na mão, podendo acionar o obturador da câmera com um clique no botão da caneta.

Essa ideia foi expandida com o Note 10, que trouxe uma S Pen ainda mais útil. Equipada com um sensor de movimentos de seis eixos, ela permite o controle por gestos do smartphone. Você pode, por exemplo, mudar os modos da câmera sinalizando com a ponta da caneta para os lados, ou dar zoom com um rabisco de uma espiral no ar.

Outros aplicativos ganharão funcionalidades com a S Pen, mas o YouTube já chegará compatível com os comandos por gestos.

4) Fim da entrada para fone de ouvido

A Samsung era uma das últimas defensoras da saudosa entrada para fones de ouvido, mas parece finalmente estar cedendo à tendência iniciada pela Apple com o iPhone 7 e 7 Plus em setembro de 2016. Quase três anos depois da empresa da maçã abolir essa entrada, a empresa sul-coreana adotou a medida com os dois Note 10.

Eles não são os primeiros celulares da marca sem este recurso - o Galaxy A80, por exemplo, já era assim. Mas, em se tratando dos aparelhos top de linha da Samsung, é um fato inédito. Ela se alinha à Apple e à Huawei, outras líderes do mercado de smartphone que abandonaram a entrada para os fones de ouvido tradicionais. Essa decisão impede de você usar neste aparelho que todo e qualquer fone antigo que você tiver sobrando em casa --algo recorrente quando o fone que vem com o celular quebra.

A justificativa da Samsung para aposentar a entrada do fone é que isso deixa o celular mais fino, com resposta tátil melhor e aumenta a bateria.

5) Preço de entrada menor

O Note 9 chamou a atenção no ano passado por chegar custando US$ 1.000, valor até então inédito para a Samsung, que igualou o preço do iPhone X. A própria Apple abaixou um pouco o sarrafo com o iPhone XR, que chegou custando US$ 750 e com alguns recursos a menos --a câmera não era dupla, por exemplo.

Com o Note 10, a Samsung tomou um caminho parecido, mas sem deixar de avançar nos recursos do modelo mais barato da linha. Custando US$ 949, o Note 10 tem câmera tripla, contra a dupla do Note 9, além de introduzir o sensor de digital ultrassônico e processadores mais modernos. Houve uma perda de 0,1 polegada na tela em relação ao Note 9, mas em compensação o aparelho está mais leve, menor e mais ergonômico.

Veja primeiras impressões do Galaxy Note 10 e Note 10+

UOL Notícias

Smartphone