PUBLICIDADE
Topo

Como controlar o braço de outra pessoa com o poder da sua mente?

Greg Gage mostra como controlar o braço com o poder da mente

UOL Notícias

Marcelle Souza

Colaboração para o UOL, em São Paulo

02/02/2019 04h00

O neurocientista Greg Gage ficou famoso por apresentar ao público experiências que parecem tiradas de filmes de ficção científica. Um dos seus vídeos mais populares é uma conferência do TED gravada em 2015 em que uma garota consegue replicar os seus movimentos, executando-os também no braço de outro participante. Os dois estão ligados a um sistema elétrico e conectados a um computador.

Mas como isso é possível? 

O cientista Edgard Morya, coordenador de pesquisas do IIN-ELS (Instituto Internacional de Neurociências Edmond e Lily Safra), diz que o experimento é simples e funciona da seguinte forma: primeiro o aparelho registra a atividade elétrica do músculo da garota e, em seguida, o cientista usa a informação captada pela máquina para estimular o músculo do segundo participante. 

"Imagina que aquele eletrodo seja um microfone que está captando o sinal do músculo. Então eu amplifico o sinal e uso isso como um estímulo elétrico no braço da segunda pessoa. Desse modo, assim que a primeira contrai músculo, o braço da segunda se mexe simultaneamente" afirma Morya.

Ali, os eletrodos estão dispostos no braço dos participantes, mas há também outra forma de fazer isso: captando as informações diretamente do cérebro de um indivíduo. 

Greg Gage mostra como controlar o braço de outra pessoa com o poder da mente - Reprodução/TED - Reprodução/TED
Greg Gage mostra como controlar o braço de outra pessoa com o poder da mente
Imagem: Reprodução/TED

A vantagem, nesse caso, é que o estímulo poderia ser realizado à distância, como mostra um estudo publicado em 2013 no periódico Scientific Reports. A pesquisa foi realizada em uma parceria entre a Universidade Duke, dos Estados Unidos, e o IIN-ELS, sediada no Rio Grande do Norte.

No experimento, os pesquisadores registraram a atividade elétrica do cérebro de um rato e, depois, essas informações eram "decodificadas" pelo animal na outra universidade, que executava ações envolvendo o sistema sensório-motor. 

No futuro, essa tecnologia poderia ser usada em pessoas com perda de funções cerebrais.

É como se a gente pudesse colocar informação dentro de um cérebro, implantar uma memória externa para recuperar a sua capacidade de funcionar normalmente

Morya

Não é coisa de ficção científica

Se você pensava que isso era coisa de filme ou de grandes empresas que investem milhões em tecnologia de ponta, saiba que já é possível fazer o experimento do vídeo com pouco dinheiro. 

"Hoje você pode montar esse sistema de registro e estimulação com cerca R$ 200. Fazemos isso com alunos do ensino médio, da iniciação científica", diz Morya, que pesquisa esse tipo de tecnologia no instituto localizado na desconhecida Macaíba, a 14 km de Natal.

Para tanto, ele explica, são necessários itens como eletrodos, um hardware e um celular. 

O próprio Gage vende kits com preços que variam entre 150 e 250 dólares. "O que temos feito nos últimos anos é treinar a próxima geração para pensar como um cientista", explicou ele em entrevista ao UOL Tecnologia em 2018. 

A ideia é que quanto mais gente tiver acesso à tecnologia mais rápido teremos opções baratas de reabilitação para pacientes com alguma restrição motora.

"Essa é uma área de grande impacto, pois possibilita que uma pessoa que não consegue mexer o braço, por exemplo, use um estímulo externo para fazer o músculo funcionar", explica o cientista brasileiro. 

Além da saúde, essa tecnologia pode ser bem útil para outras finalidades no nosso dia a dia.

"Imagina agora você não tenha lesão nenhuma, mas gostaria de ensinar um movimento para alguém. Com essa metodologia, simultaneamente é possível fazer o movimento, registrar a atividade do músculo e executá-lo em outra pessoa. É uma técnica parecida com realidade virtual", diz Morya.