Topo

Usa o Dr. Google? Busca agora fica mais confiável para resultados médicos

Buscas do Google retornarão informações médicas do Hospital Albert Einstein - Fabiana Uchinaka/UOL
Buscas do Google retornarão informações médicas do Hospital Albert Einstein Imagem: Fabiana Uchinaka/UOL

Fabiana Uchinaka

Do UOL, em São Paulo

06/02/2017 12h01Atualizada em 06/02/2017 13h57

O Google lançou nesta segunda-feira (6) uma iniciativa em parceria com o Hospital Israelita Albert Einstein, de São Paulo, para tornar as buscas dos internautas por interpretações médicas mais precisas e confiáveis.

A nova busca, que só aparece na versão mobile, agora prioriza resultados atualizados e chancelados por profissionais, para evitar o acesso a sites que propagam informações pouco precisas sobre medicina.

Segundo Alessandro Germano, da área de parcerias do Google, uma em cada cinco buscas na ferramenta são relacionadas à saúde, então havia uma necessidade da empresa de "tornar os resultados mais saudáveis".

Então, agora quando fazemos uma busca relacionada à área de saúde, em vez de dez links, aparecem informações validadas e organizadas por tema, num layout diferenciado.

Ou seja, quando se busca "dor no joelho" aparecem condições associadas, tratamentos e orientações, inclusive autotratamentos como "colocar gelo".

A mudança usa a chamada mineração de dados para fazer um painel de informações sobre sintomas e gerar um mapa, bem mais preciso que a busca comum.

O internauta pode inclusive baixar um PDF daquele documento e levá-los ao médico.

Segundo Sidney Klajner, presidente do hospital, o aprimoramento da busca do Google serve para direcionar o paciente a procurar o atendimento correto, evitar a automedicação e a propagação de informações erradas.

Por enquanto, existe cerca de 400 temas e 150 a 200 sintomas cadastrados, que correspondem às principais buscas feitas pelos internautas.

Mas buscas complexas, que somem sintomas, são limitadas. "Quando somamos sintomas, aumentamos a complexidade do diagnóstico", explica Klajner. Nestes casos, um parecer médico é fundamental.

De acordo com Germano, buscas pontuais impulsionadas por surtos ou epidemia, como já aconteceu com zika, febre amarela, gripe e chikungunya, serão atualizadas dentro de dias, privilegiando informações oficiais e orientações do governo.

O Brasil é o segundo país do mundo a usar a nova ferramenta, depois dos EUA.

Google produz vídeo emocionante com assuntos mais pesquisados

redetv

Mais Tilt