Topo

Após polêmica, Google tira app que promovia "terapia de conversão" de gays

Aplicativo foi desenvolvido por grupo que diz ajudar pessoas em conflito sobre sua fé e sexualidade - Getty Images
Aplicativo foi desenvolvido por grupo que diz ajudar pessoas em conflito sobre sua fé e sexualidade Imagem: Getty Images

Jeff Green

Da Bloomberg

29/03/2019 16h04

O Google vai retirar de sua Play Store um polêmico aplicativo que promovia uma "terapia de conversão", após críticas de um grupo de defesa dos direitos LGBTQ.

O aplicativo foi desenvolvido pelo Living Hope Ministries, um grupo cristão fundado há 30 anos, que diz ajudar pessoas que se sentem em conflito sobre sua fé e sexualidade. Profissionais de medicina convencional consideram a terapia de conversão psicologicamente prejudicial.

"Depois de consultar grupos de defesa, revisar nossas políticas e nos assegurar de que tínhamos completa compreensão do aplicativo e sua relação com a terapia de conversão, decidimos removê-lo da Play Store, em linha com outras lojas de aplicativos", disse um porta-voz do Google em comunicado na quinta-feira. A Microsoft, Amazon.com e Apple já tinham retirado o aplicativo de suas lojas.

A decisão foi tomada menos de 24 horas depois da organização Human Rights Campaign ter dito que estava excluindo a nota do Google de seu Índice de Igualdade Corporativa, uma avaliação anual das políticas e práticas de empresas em apoio aos funcionários LGBTQ. Anteriormente, o Google havia recebido nota 100 no índice. Em 17 anos, essa foi apenas a terceira vez que a classificação foi suspensa.

"O Google e outras plataformas que removeram este aplicativo estão dando um importante passo para proteger a juventude LGBTQ", disse Chad Griffin, presidente da Human Rights Campaign, em comunicado enviado por e-mail.

Em janeiro, o Living Hope Ministries protestou, em um blog, contra a decisão da Apple de remover o aplicativo da App Store, contestando a relação do produto com a terapia de conversão. O Living Hope Ministries não retornou pedido de entrevista por e-mail.

Mais Negócios