Topo

Multa da União Europeia derruba lucro do Google

Sede do Google em Mountain View - Getty Images
Sede do Google em Mountain View Imagem: Getty Images

30/04/2019 11h14

A Alphabet, matriz do Google, anunciou nesta terça-feira (30) uma severa queda em seu lucro no primeiro trimestre do ano devido às elevadas multas impostas pela União Europeia (UE).

O grupo informou que seu lucro trimestral caiu 29%, para US$ 6,7 bilhões, enquanto a receita subiu 17%, para US$ 36,3 bilhões.

O lucro foi reduzido por uma multa de US$ 1,7 bilhão aplicada pela União Europeia no final de março, destaca o relatório trimestral. Bruxelas considerou que o Google impediu que concorrentes publicassem anúncios.

A UE também avalia que o grupo usou seu sistema Android para impor seu buscador e o navegador Chrome em smartphones e tablets, bloqueando seus competidores.

Após a divulgação do relatório, as ações do gigante da web caíram 6,1% nas transações eletrônicas posteriores ao fechamento dos mercados. Apesar de o lucro bruto ter sido superior ao esperado, o volume de negócios foi menor que o estimado para o Google, que domina a área de buscadores e navegadores na web e o setor de telefonia móvel com o sistema operacional Android.

A chefe de finanças do grupo, Ruth Porat, destacou que os resultados mostraram um "robusto crescimento" liderado pela busca nos smartphones, anúncios no YouTube e serviços em nuvem:

Seguimos com foco e entusiasmados com o significativo crescimento de oportunidades em nossos negócios

A lucrativa plataforma de anúncios do Google segue como a principal fonte de renda da Alphabet, com US$ 30 bilhões, mas os custos também subiram muito.

O grupo sofreu ainda perdas no quesito "Outras Apostas", que inclui o projeto de carro autônomo Waymo, o serviço de ciência e tecnologia Verily, as entregas com drone e a difusão da Internet em locais remotos.

"Outras Apostas" sofreu uma perda operacional de US$ 858 milhões, contra US$ 571 milhões há um ano, com o faturamento subindo modestamente a US$ 170 milhões.

Mas vários projetos caminham para o sucesso: Wing se tornou a primeira companhia de entrega por drone certificada pelas autoridades federais dos EUA e Waymo começou a desenvolver táxis autônomos através de uma aliança com fabricantes de carros.

E o setor de serviços na nuvem segue sendo "o que mais rapidamente cresce na Alphabet, com um grande aumento dos clientes e, em particular, graças aos nossos produtos de computação e análise de dados", destacou Porat.

Android, 10 anos: como o maior sistema operacional do mundo virou ferramenta de poder

Leia mais

Mais Negócios