PUBLICIDADE
Topo

Thiago Gonçalves

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Trabalho premiado: como astrônomos fizeram os melhores mapas da Via Láctea

Imagem do céu com as estrelas catalogadas pelo satélite Gaia - ESA/Gaia/DPAC, A. Moitinho / A. F. Silva / M. Barros / C. Barata / H. Savietto
Imagem do céu com as estrelas catalogadas pelo satélite Gaia Imagem: ESA/Gaia/DPAC, A. Moitinho / A. F. Silva / M. Barros / C. Barata / H. Savietto
Conteúdo exclusivo para assinantes
Thiago Signorini Gonçalves

Thiago Signorini Gonçalves é doutor em astrofísica pelo Instituto de Tecnologia da Califórnia, professor do Observatório do Valongo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e coordenador de comunicação da Sociedade Astronômica Brasileira. Utilizando os maiores telescópios da Terra e do espaço, estuda a formação e evolução de galáxias, desde o Big Bang até os dias atuais. Apaixonado por ciência, tenta levar os encantos do Universo ao público como divulgador científico.

25/05/2022 04h00

A União Astronômica Internacional anunciou esta semana que os pesquisadores Lennart Lindegren, da Universidade de Lund, na Suécia, e Michael Perryman, da Universidade de Dublin, na Irlanda, são os ganhadores do prestigioso prêmio Shaw de Astronomia deste ano.

Os dois foram reconhecidos pelo seu trabalho nas missões espaciais Hipparcos e Gaia, que produziram os melhores mapas que temos de nossa galáxia, o que considero uma boa oportunidade para explicar um pouco como esses dados são obtidos e utilizados.

As duas missões foram lançadas pela agência espacial europeia: o Hipparcos em 1989, e o Gaia, seu sucessor, em 2013. Enquanto a primeira missão catalogou pouco mais de 100 mil estrelas, a segunda deve observar e acompanhar 1 bilhão de objetos.

Ambos funcionam de forma semelhante, medindo com altíssima precisão a posição de cada estrela catalogada. Essa lista então se torna uma importante referência para o resto da comunidade astronômica, que agora pode usar esses catálogos como mapa para determinar a posição de outros objetos em suas imagens.

O Gaia foi muito mais longe, graças à sua capacidade de observar objetos mais fracos. Assim, ao contrário do Hipparcos, ele não estava restrito à vizinhança solar, e conseguiu medir até mesmo a posição de estrelas em galáxias vizinhas, a centenas de milhares de anos-luz de distância.

No entanto, o poder destes telescópios é ainda maior. Ele não apenas mede a posição das estrelas, mas é também capaz de medir a distância até elas, algo que sempre representa um desafio.

Estrelas, para os astrônomos, são sempre pequenos pontos brilhantes no céu, e é impossível medir diretamente a distância até elas. Para um determinado brilho aparente, poderia ser uma estrela muito luminosa e muito distante, ou pouco luminosa e mais próxima.

Para resolver o problema, uma das principais técnicas utilizadas é a da paralaxe. Imagine que você está vendo um avião no céu; um avião levantando voo, próximo ao solo, parece se mover muito mais rapidamente que um avião no céu, devido à grande distância entre vocês.

O Hipparcos e o Gaia usavam o mesmo princípio geométrico, mas usando a mudança aparente na posição das estrelas enquanto a Terra gira ao redor do Sol. Quando mais próxima a estrela, mais ela parece se mover no céu ao longo do ano.

Vejam bem, essa mudança é muito pequena. Algo equivalente a um amigo seu que desse dois passos para o lado... no planeta Vênus! Imagine poder detectar uma mudança de posição tão sutil. Esse é o poder do satélite Gaia.

Como sabemos exatamente a distância da Terra ao Sol, podemos fazer uma triangulação para determinar a distância a cada estrela no catálogo, criando, efetivamente, um mapa tridimensional de um bilhão de estrelas ao nosso redor.

Não é apenas um feito impressionante, mas algo de extrema utilidade para todas as áreas da Astronomia.

Um prêmio merecido, e um belo reconhecimento a estes projetos de altíssimo impacto. E no ano que vem, quem será que ganha? Talvez os responsáveis pela imagem do buraco negro?