PUBLICIDADE
Topo

Denise Tremura

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Como seriam as comunidades do Orkut hoje? Tuítes de orkuteiro dão ideias

Reprodução/ Twitter/ @pagalanxe
Imagem: Reprodução/ Twitter/ @pagalanxe
Conteúdo exclusivo para assinantes
Denise Tremura

Denise Tremura estudou Letras, é escritora, blogueira, leitora, twitteira, youtuber, palpiteira, web influencer engajada nas redes sociais e sempre atenta ao que vira tendência.

23/11/2021 04h00

Quem se lembra das comunidades do Orkut? Com nomes inusitados que muitas vezes refletiam traços de comportamento dos internautas —como "eu odeio acordar cedo" ou "eu respondo ao boa noite do JN"—, elas eram muito populares entre os orkuteiros.

Mas, e se as comunidades existissem hoje, que nomes teriam? O criador de conteúdo Bruno Predolin pensou nisso e lançou um tuíte com alguns exemplos:

Confundo TikTok com Tok&Stok

Quebrando o tabule

Eu ainda faço uma pausa no 9

(Eu também.)

Bruno diz à coluna que na época do Orkut criou 715 comunidades na rede. "Eu criava compulsivamente sob o codinome "B!" onde escondia meu rosto."

Na última atualização, em 2009, as comunidades tinham mais de 3 milhões de pessoas.

Mas por que as comunidades ainda fazem tanto sucesso, após tanto tempo do fim do Orkut? Bruno acredita que role um saudosismo, porque nenhuma outra rede social conseguiu atingir o mesmo nível de segmentação por temas que o Orkut possuía.

"Mais do que um simples fórum de discussão, elas eram usadas para mostrar a identidade na internet da pessoa, além de traçar sua personalidade. Não era raro você entrar no perfil de alguém para ver todas as comunidades que a pessoa participava e conferir se batia com as mesmas coisas que você gostava. O Facebook até tentou fazer algo semelhante com os grupos, mas não foi a mesma coisa, porque a organização e disposição de informações, ao meu ver, fracassaram", diz.

Atualmente, a rede social preferida do Bruno é o Twitter. "É mais fácil expressar uma ideia com poucos caracteres sem precisar dar as caras ou ligar uma câmera, como no Instagram ou TikTok. Vejo que a maioria das redes sociais está, no momento, focando na criação de conteúdo em vídeo, que, em um futuro próximo, deve virar o novo padrão para toda criança nascida nesses tempos de hoje. Por outro lado, acredito que para quem nasceu antes desse período, o texto continuará a ter um grande destaque na vida das pessoas. Na minha opinião, seguiremos com uma mescla desses conteúdos por um bom tempo ainda", afirma.

As comunidades criadas por B! podem ser encontradas em sua página no Facebook.