PUBLICIDADE
Topo

André Noel

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Programadores lembram o Lanterna Verde e deveriam usar seu poder para o bem

Lanterna Verde e programadores têm muito em comum, você já reparou? - Reprodução
Lanterna Verde e programadores têm muito em comum, você já reparou? Imagem: Reprodução
Conteúdo exclusivo para assinantes
André Noel

Andre Noel é programador, webcartunista, autor do Vida de Programador, professor universitário (UEM e Unicesumar), youtuber e sabe pregar botões em roupas.

05/02/2022 04h00

Nos últimos anos tenho me dedicado a ensinar programação. Uma das melhores sensações é ver uma pessoa que aprendeu a programar e que está cheia de ideias para criar produtos e serviços com o que aprendeu.

Programação é algo muito similar à magia, como vemos em filmes de ficção. É algo que não são todas as pessoas que entendem, mas que aquelas que entendem sabem juntar algumas palavras mágicas para fazer surgir elementos meio que do nada.

Quanto mais experientes, mais temos domínio sobre as "palavras mágicas" e sabemos melhor o que vai sair. Mas quando somos novos, recém-apresentados a ela, queremos testar mais e tentar diferentes combinações de "feitiços" para pegar a prática.

Uma das grandes vantagens da programação é que você precisa "apenas" de um computador para trabalhar. Sim, café e internet também são essenciais, mas precisa-se de muito pouco para criar "qualquer coisa", muitas vezes somos limitados pela nossa criatividade.

Nesse ponto eu gosto também de comparar as pessoas desenvolvedoras aos Lanterna Verdes, pessoas (e também alienígenas) com anéis de poder que permitem ao portador criar qualquer coisa, limitado apenas à sua criatividade e ao medo (tem outros detalhes, mas vou ignorar aqui).

Portanto, assim como a tropa de Lanternas, pessoas desenvolvedoras podem criar a partir do nada, ou a partir de uma tela preta esperando linhas de código.

Inspirado pela magia ou pelo poder vindo das histórias em quadrinhos, você vai lá aprender a programar, aprende a fazer os seus próprios códigos e daí surge a terrível questão: "e agora, o que eu faço?"

Não é fácil encontrar uma boa ideia original, assim como não é fácil tirar do papel e implementar um sistema.

Conheço mais de uma pessoa que me contaram que tiveram uma super ideia inovadora de um aplicativo para celular onde a pessoa pudesse pedir comida para ser entregue em casa, sem precisar telefonar ou ir ao estabelecimento, antes mesmo dessa ideia ter se tornado popular e de existirem alguns poucos aplicativos gerando muito dinheiro com isso.

Mas então, o que fazer com a minha capacidade de desenvolver sistemas? Tente usar isso para o bem.

Existem muitos (e pode acreditar que são inúmeros) sistemas desenvolvidos para prejudicar pessoas, para passá-las para trás. Desde sistemas de máquinas de apostas que visam maximizar o lucro de seus donos, até sistemas de gerenciamento de horas trabalhadas que camuflam as injustiças para a fiscalização. Também muitos sistemas imitando outros sistemas legítimos para roubar informações, enquanto outros são feitos para invadir e roubar.

Por outro lado, existem muitos sistemas desenvolvidos para o bem. E se você quiser desenvolver algo que seja utilizado para o bem, eu tenho uma regra mental básica para definir o que seria um sistema desenvolvido para o bem: pense em desenvolver algo que possa reduzir injustiças.

Enquanto há muita gente tentando ganhar dinheiro com sistemas que aumentam ou perpetuam injustiças, podemos fazer um mundo melhor utilizando as nossas criações para reduzir essas injustiças e trazer uma forma de dar oportunidade às pessoas.

Para inspirar, dá para trazer aqui o famoso exemplo do sistema que ficou conhecido como "Operação Serenata de Amor", onde criaram uma inteligência artificial para fiscalizar (incansavelmente e constantemente) os gastos públicos e disparar alertas quando algo pareça estar muito fora do normal, ou seja, algo que esteja criando injustiças e desvios de dinheiro público.

Um outro projeto que gosto muito é o Brasil.io, que visa ir na contramão daqueles que pretendem esconder dados para que sejam feitas injustiças em sigilo.

O Brasil.io faz uma compilação de dados públicos e abertos, permitindo uma análise por parte de qualquer pessoa ou organização. Quando houve um apagão de dados em relação à covid no Brasil, o Brasil.io mantinha uma base atualizada e confiável de dados para que pudessem ser utilizados por quem precisasse.

Esses são projetos grandes, mas você pode também reduzir injustiças possibilitando a uma pessoa conhecida sua vender os seus produtos online, porque o negócio dela foi prejudicado pela pandemia.

Você pode desenvolver sistemas que auxiliem alguém que não tem muitas informações a fazer um bom controle financeiro pessoal.

Você pode também desenvolver sistemas que ajudem as pessoas a obterem informações para tomarem decisões mais bem orientadas.

A tecnologia não precisa esfriar as pessoas, ela pode ser usada para despertar também o melhor em nós e a reduzir abismos gerados por tantas injustiças que já vivemos há tantos anos.

Você tem alguma história de desenvolvimento para reduzir injustiças? Mande aqui para mim, eu vou ficar muito feliz em colecionar mais boa histórias e passar isso adiante.