PUBLICIDADE
Topo

André Noel

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Vida de professor: por que é difícil (mas recompensador) ensinar

Freepik
Imagem: Freepik
Conteúdo exclusivo para assinantes
André Noel

Andre Noel é programador, webcartunista, autor do Vida de Programador, professor universitário (UEM e Unicesumar), youtuber e sabe pregar botões em roupas.

16/10/2021 04h00

— Professor, é para copiar?

— Não, é para tirar foto!

Esse era um diálogo corriqueiro de quando eu era criança, mal sabiam tais mestres que o jogo viraria.

Quando virei professor, o diálogo já era outro:

— Você não vai copiar?

— Não, professor, estou esperando você acabar para eu tirar foto.

Ensinar é uma arte. Como arte, é algo prazeroso para quem a produz. É algo que se aproveita da nossa criatividade e é algo que a gente começa sem saber como vai ficar o resultado final.

Chega a nossa mão uma peça, às vezes bruta, às vezes já trabalhada, e tentamos adicionar a ela o melhor daquilo que aprendemos, com todo zelo, transformando em algo novo e único.

Ensinar é uma arte a muitas mãos.

Ao ensinar, você pega uma obra começada, que pode estar com uma boa base ou talvez precise de uns retoques antes de você fazer a sua parte.

Também é uma arte que você passa para o próximo, com todo carinho e a esperança de que se torne uma peça valiosa com grandes impactos na vida de alguém.

Confesso que ensinar não foi a minha primeira opção de carreira. Trabalhei por alguns anos em desenvolvimento de software, conheci o mercado, o processo de criação de soluções desde o contato com o cliente até os detalhes de código e implementação.

Depois retornei ao estudo acadêmico, aprimorei o conhecimento e passei a compartilhar.

É algo mágico você poder passar um conhecimento seu (algo que você aprendeu, testou e utiliza em seu dia a dia) para uma nova pessoa que está ali, como uma folha de papel que espera absorver nela um conhecimento novo que a transforme.

É a sensação de estar preparando pessoas que terão as ferramentas para mudar o mundo, seja esse o mundo inteiro ou então o seu mundo e o seu redor.

Ao ensinar você percebe também o quanto você não sabe sobre o mundo e sobre a vida.

Você se depara com as diferentes realidades ilustradas em diferentes rostos e vê que aquele seu conhecimento não é o mesmo quando penetra aos olhos de uma outra pessoa. O seu conhecimento se soma ao conhecimento dela e ainda retorna para você ampliado, com novas visões ou novas questões que ainda não tinham martelado a sua alma.

Mesmo podendo soar como um clichê, já foi dito que o conhecimento é a única coisa que quando se divide, se multiplica. Poder passar para frente o conhecimento é algo belo, é algo que deve ser valorizado, é algo que nunca pode ser perdido.

Ensinar é uma arte, mas nem todo mundo gosta de arte. Nem todo mundo compreende a arte. Assim como artistas, aqueles que ensinam muitas vezes são mal compreendidos, tratados como "vagabundos" ou "parasitas". Da mesma forma como alguns abominam a arte, alguns abominam a ciência, o saber e acabam abominando aqueles que transmitem esse conhecimento.

Nesse meio de outubro, nos lembramos daquelas pessoas que nos ensinaram com carinho, nos lembramos das pessoas que nos capacitaram a termos as profissões que temos, a sonharmos com um futuro melhor.

Não deixe de valorizar professores e professoras, que merecem sempre um lugar de destaque. São quem cuidam de nossos filhos, são as pessoas que nos ensinaram, são as pessoas que possibilitaram que um longo caminho da ciência e da tecnologia fosse possível.

Parabéns a todos os que transmitem conhecimento com dedicação e carinho, que o futuro seja muito melhor para todos nós.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL