PUBLICIDADE
Topo

Akin Abaz

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

5G no Brasil: tecnologia avança, mas dificuldade será funcionar nas favelas

Tecnologia 5G deve chegar primeiro para as localidades com maior poder aquisitivo - Pixabay
Tecnologia 5G deve chegar primeiro para as localidades com maior poder aquisitivo Imagem: Pixabay
Conteúdo exclusivo para assinantes
Akin Abaz

Akin Bakari D'Angelo dos Santos é fundador da InfoPreta e homem trans. Um curioso nato e um amante do desconhecido, sempre se interessou por montar, desmontar e entender o funcionamento dos eletrônicos. Fez cursos técnicos na adolescência e, aos 15 anos, já atuava na área da indústria com manutenção eletrônica de maquinário pesado. Em 2011, começou a consertar computadores em seu quarto e dois anos depois fundou a InfoPreta, empresa de serviços de manutenção que tem por objetivo inserir pessoas negras, LGBTQI+ e mulheres no mercado tech, aliando lucros a projetos sociais de grande impacto.

Colunista do UOL*

20/01/2022 04h00

O 5G, a nova geração de redes móveis que está dando o que falar, deu um importante passo em 2021: ter o leilão realizado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), para que as operadoras do país possam explorar a tecnologia comercialmente.

Muitas pessoas, inclusive eu, ficaram com o questionamento de quais seriam as próximas etapas de agora em diante e o que podemos esperar dessa tecnologia em 2022.

A expectativa é que possamos ver alguns avanços nesse ano, mas, a realidade é que talvez para os brasileiros ainda demore um pouco para vivenciarmos as diferenças fornecidas por essa rede no dia a dia.

Isso se deve ao fato de que as empresas arremataram faixas, que funcionam como avenidas no ar para transmitir dados, porém ainda é preciso instalar a infraestrutura de antenas e fibras ópticas para levar a conexão para a população.

E daí, só depois disso, que as primeiras aplicações devem começar a aparecer.

No Brasil, a expectativa é que as primeiras redes exclusivamente de 5G passem a funcionar no país em 31 de julho deste ano em todas as capitais e também no Distrito Federal.

O que não quer dizer que todos os bairros dessas cidades terão a cobertura ao mesmo tempo, já que a exigência é que se instale pelo menos uma antena a cada 100 mil habitantes, o que muito provavelmente fará com que a conexão seja levada para as regiões em que cada operadora considere mais importante para suas finanças.

E, é nessa etapa que permeiam algumas problemáticas acerca da questão.

Isso porque as regiões que possuem um maior número de tráfego de internet, as que possuem mais empresas e negócios provavelmente serão as primeiras a ter a tecnologia. Além do fato de que será preciso um aparelho compatível para usar essa rede em específico. O que deixa nítido que as localidades com maior poder aquisitivo serão aquelas que irão estar na prioridade das operadoras.

Por isso, algumas capitais e principalmente as favelas terão dificuldades de oferecer a conexão em comparação com outras regiões. Então, para mim, está mais do que claro que o 5G não será para todos, pelo menos não no início.

* Colaborou Gabriela Bispo, planner e redatora da InfoPreta