PUBLICIDADE

Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Battlefield 2042 empolga com destruição e clima maluco no primeiro gameplay

Por Rodrigo Lara

Colaboração para Start

13/06/2021 15h30

Tanto o Battlefield de 2016 quanto Battlefield V, de 2018, foram excelentes jogos de tiro. Tudo que caracterizava a série estava lá, como os cenários destrutíveis, as batalhas de grandes proporções em ambientes enormes, a possibilidade de controlar veículos e a sensação de imprevisibilidade, que fazia cada partida ser bem diferente uma das outras.

Mas, mesmo com essas qualidades (e com um fluxo relativamente constante de novo conteúdo), a impressão é que a série foi perdendo espaço no gênero de tiro. Enquanto sua principal rival, a franquia Call of Duty, voltou a acertar com Modern Warfare, Black Ops e, principalmente, com o battle royale Warzone, Battlefield parecia, de certa forma, parado no tempo.

Essa situação, porém, deve mudar em 22 de outubro, quando Battlefield 2042 será lançado para PC, PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One e Xbox Series S e X. Pelo menos, essa é nossa a sensação após termos nosso primeiro contato com a proposta do game e assistirmos ao seu primeiro gameplay. Confira no vídeo acima.

Battlefield 2042 - Divulgação/EA - Divulgação/EA
Imagem: Divulgação/EA

Fenômenos naturais aleatórios

Boa parte da expectativa positiva vem de um misto de ousadia e fidelidade às origens.

A ousadia está garantida por novos elementos de jogabilidade, como a ocorrência de desastres ambientais aleatórios que, definitivamente, podem mudar o rumo das partidas.

Imagine só: você está ao lado do seu esquadrão enquanto tenta se abrigar do fogo inimigo e, do nada, um tornado surge no campo de batalha. Ao mesmo tempo que o fenômeno constitui uma ameaça, ele pode ser usado para te catapultar até uma posição diferente e, com isso, transformar uma situação ruim em vantagem.

Battlefield 2042 - Divulgação/EA - Divulgação/EA
Imagem: Divulgação/EA

Outra elemento novo são os gadgets tecnológicos, que executam diferentes tipos de tarefas e podem render vantagens estratégicas. Há, claro, algumas "licenças poéticas", como poder trocar os acessórios das armas em tempo real, algo totalmente fora da realidade, mas que tende a trazer benefícios em termos de dinâmica de gameplay.

Como Battlefield 2042 trará cenários grandes e com enorme variação de ambientes, essa possibilidade garante que os jogadores estejam bem equipados tanto na hora das batalhas em campo aberto quanto em situações com inimigos mais próximos, como a invasão de um prédio.

A variação de ambientes também faz com que a escolha de operador (que acabam representando as classes habituais da série) seja feita de maneira criteriosa. Esquadrões que jogam sempre juntos tendem a levar vantagem, já que é possível combinar papéis e encarar as batalhas de maneira organizada e mais eficiente.

Mas o mais legal é que tanto esses gadgets quanto os fenômenos naturais dialogam diretamente com a ambientação do game, em um futuro "semi-apocalíptico". Não soam como forçados, mas sim coerentes com tudo que acontece no jogo.

Battlefield 2042 - Divulgação/EA - Divulgação/EA
Imagem: Divulgação/EA

Apenas multiplayer

Nos últimos games da série havia um modo campanha, mas, convenhamos, ele acabava passando longe da experiência cinematográfica típica de títulos como Call of Duty. Desta vez, a DICE resolveu retornar às origens e fez de Battlefield 2042 um jogo totalmente focado no modo multiplayer.

Eliminar esse tipo de conteúdo pode parecer uma decisão controversa, mas, honestamente, deve fazer pouca falta ao game. Além disso, quem quiser se aventurar em Battlefield 2042 e tem receio de fazer feio em partidas "pra valer" terá a oportunidade de treinar e evoluir em disputas contra oponentes controlados pela máquina.

Battlefield 2042 - Divulgação/EA - Divulgação/EA
Imagem: Divulgação/EA

Precisa de battle royale?

Quando os battle royales se popularizaram, com games como Playerunkown's Battlegrounds e Fortnite, preciso confessar que não via graça nenhuma. Só mudei de opinião quando fui convencido a jogar Call of Duty Warzone e, desde então, não larguei mais.

Portanto, admito que fiquei um pouco decepcionado com a informação de que Battlefield 2042 não contará com um modo do tipo - o que seria perfeito, especialmente se juntarmos com a presença de veículos de combate e de cenários destrutivos.

Por outro lado, a DICE promete revelar em breve novos modos de jogo que trazem abordagens distintas ao padrão da série. Resta saber como isso vai sair.

Outro ponto que me deixa curioso é a diferença entre a performance do jogo nos consoles da antiga geração e nos videogames mais novos e no PC. Além de uma provável redução na qualidade visual, a DICE já afirmou que as partidas em PS4 e Xbox One terão mapas menores, com apenas 64 jogadores (em vez de 128, na nova geração). Haverá mais limitações? Ainda não sabemos.

É importante lembrar que o sucesso de um game com a proposta de Battlefield 2042 depende muito do interesse do público a longo prazo. Afinal, é difícil manter um jogo online vivo sem que haja uma base constante de gente povoando os servidores. Porém, o anúncio do game e as reações dos fãs aos seus primeiros trailers já parecem um bom termômetro - com resultado positivo. (Só precisamos torcer para que a EA garanta bons servidores e não repita os problemas enfrentados por Battlefield 4 em seu lançamento.)

De qualquer maneira, Battlefield 2042 tem tudo para levar a franquia de volta aos dias de glória. Por tudo que foi visto agora, é possível falar sem medo que "tá liberado" se empolgar com esse jogo. Eu, ao menos, estou.

SIGA O START NAS REDES SOCIAIS

Twitter: https://twitter.com/start_uol
Instagram: https://www.instagram.com/start_uol/
Facebook: https://www.facebook.com/startuol/
TikTok: https://www.tiktok.com/@start_uol/
Twitch: https://www.twitch.tv/start_uol

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL