PUBLICIDADE

Topo

Control Freak

Adeus, Xbox One e PS4! 5 problemas que morrem com essa geração de consoles

PS5 e Xbox Series X lado a lado - Montagem: Control Freak / Divulgação (Microsoft, Sony)
PS5 e Xbox Series X lado a lado Imagem: Montagem: Control Freak / Divulgação (Microsoft, Sony)
Victor Bianchin

Victor Bianchin é jornalista, já foi editor da revista Mundo Estranho e escreveu um almanaque de games. Ele tem um Rush de estimação e considera a técnica do button mashing algo subestimado. Em Control Freak você vai ficar por dentro das curiosidades, bizarrices e polêmicas saudáveis do universo dos games.

Colunista do UOL

17/11/2020 08h00

Esta semana marca o lançamento mundial do Xbox Series X/S e do PS5, as novas máquinas de Microsoft e Sony que prometem mudar a forma como jogamos videogame.

Defeitos de fabricação à parte, os consoles estão extremamente hypados e devem vender mais que pãozinho quente de manhã. Se você não comprar um, algum amigo seu vai e você irá jogar de qualquer jeito. A revolução, assim como o Thanos, é inevitável.

De certa forma, enquanto você lê isso, algumas das práticas habituais que você tem com seu console já estão virando coisa de museu. Bora rever o que em breve irá virar passado?

1) Tempos de carregamento enormes

tempo de carregamento PS5 e XSX - Reprodução / YouTube (GameSpot) - Reprodução / YouTube (GameSpot)
Imagem: Reprodução / YouTube (GameSpot)

O armazenamento em SSD, em vez de disco rígido, significa que todos os jogos, sejam da geração atual ou das anteriores, irão ter seus tempos de carregamento ("loading") extremamente reduzidos. Nos testes do Start, o Red Dead Redemption 2 carrega em míseros 30 segundos no XSX, por exemplo.

Segundo os reviews que têm saído na imprensa, o tempo entre ligar o console e entrar no gameplay é mínimo. O youtuber Jorraptor, por exemplo, comparou as duas plataformas nesse quesito e chegou aos valores de 51 segundos para o PS5 e 1m26s para o XSX. O jogo em questão era Assassin's Creed Valhalla.

O GameSpot comparou os loadings de vários jogos, porém, e constatou que o XSX, em geral, carrega mais rapidamente.

Isso significa menos espera para jogar, mais imersão nos jogos e menos perrengues com games em que se morre muito (como Ghostrunner e o remake de Demon's Souls). Já era hora!

2) Sensores de movimento

Microsoft Kinect - Divulgação (Microsoft) - Divulgação (Microsoft)
Imagem: Divulgação (Microsoft)

Sim, a gente sabe que o Wii foi um console revolucionário, mas isso foi em 2006. Se nem a Nintendo quis dar continuidade à ideia de enfiar sensores de movimento em tudo, então por que a Sony e a Microsoft iriam querer? A nova geração de consoles deve abandonar ainda mais esse método de jogabilidade.

O Kinect, inicialmente, seria um dos principais focos do Xbox One, sendo inclusive vendido junto com o console. Conforme os anos se passaram, porém, a Microsoft foi desistindo do produto e hoje ele está praticamente morto. Os games pararam de ser lançados e o XSX oficialmente não terá suporte aos jogos de Kinect.

Do lado da Sony, os jogos para PS Move pararam de sair em 2013 - a única exceção foi a franquia Just Dance, que manteve o suporte até o Just Dance 2018. Os controles do PS3 e do PS4 tinham sensores de movimento e o controle do PS5, o DualSense, também irá ter. No entanto, a cada ano, diminui o número de lançamentos que realmente faz uso desse recurso.

Além de tudo isso, a evolução dos óculos de VR deve fazer com que esse tipo de jogo seja prioridade no quesito "jogabilidade manual", diminuindo ainda mais a importância dos sensores de movimento.

Não tem problema. A gente sempre vai ter os games de exercício do Switch pra ficar virando os Joycons de um lado para o outro.

3) Ficar olhando no celular para saber como avançar no jogo

Celular e tela de jogo no fundo - Reprodução / YouTube (spliitz) - Reprodução / YouTube (spliitz)
Imagem: Reprodução / YouTube (spliitz)

Uma das inovações do PS5 é o Game Help, um recurso que permite pausar o jogo e acessar, a partir do próprio menu do console, dicas para avançar no game e também para obter troféus. Como esse recurso será utilizado irá depender de cada desenvolvedora, mas o que se tem anunciado é que ele deverá substituir, pelo menos em parte, os "detonados" da internet.

Só o remake de Demon's Souls deverá ter 180 dicas ao longo de toda sua campanha. Nada mal para um jogo conhecido por ser difícil e desafiador.

O Xbox não terá, a princípio, um recurso semelhante ao Game Help, mas terá o Quick Resume, uma feature que permite sair do jogo para fazer outra coisa (por exemplo: ver um vídeo de YouTube) e voltar rapidamente, sem burocracia.

Nossa esperança é que o Game Help ajude a gente a nunca mais ter que ficar pausando o jogo para olhar no celular enquanto procuramos colecionáveis para conquistar troféus.

4) Barulhos suficientes para acordar a vizinhança

Medidor de decibéis e jogo - Reprodução / YouTube (Riko Tuominen) - Reprodução / YouTube (Riko Tuominen)
Imagem: Reprodução / YouTube (Riko Tuominen)

Se você tem um PS4 ou Xbox One e costuma usar mídia física, sabe que, às vezes, esses consoles fazem tanto barulho que parecem que vão decolar. A coisa fica ainda pior se a máquina já fez alguma viagem à assistência técnica - parece até que esse pessoal coloca umas buzinas a mais dentro dos aparelhos.

Todos os reviews até aqui atestam o mesmo: tanto o PS5 como XSX são muito mais silenciosos do que seus antepassados.

Já imaginou que delícia poder jogar de noite sem o videogame fazendo barulho de betoneira? A gente até perdoa o fato de esses novos consoles mal caberem na estante.

5) Crossplay como exceção em vez de regra

Crossplay Switch e Xbox - Reprodução / YouTube (Nintendo) - Reprodução / YouTube (Nintendo)
Imagem: Reprodução / YouTube (Nintendo)

A Microsoft sempre foi mais aberta ao crossplay entre sistemas, enquanto a Sony insistia em manter sua plataforma o mais fechada possível. Isso mudou em outubro de 2019, quando a multinacional japonesa oficialmente estendeu a todos seus desenvolvedores a opção de criar games cross-platform, ou seja, que podem ser jogados em multiplayer com pessoas que tenham Xbox, PC ou Switch.

É claro que, em se tratando de uma transição de gerações, há mais perguntas no ar em relação a crossplay. Fala-se muito em cross-gen (jogar o mesmo jogo entre a plataforma mais nova e a mais antiga) e cross-platform progression (compartilhar sua progressão no mesmo jogo entre o console novo e o antigo). O PS5 e o XSX variam em relação a essas questões.

Mas, em relação ao cross-platform, as notícias são promissoras. Já se sabe que jogos como Fortnite, PUBG, Mortal Kombat 11, Destiny 2, Dauntless e Call of Duty: Black Ops Cold War estarão disponíveis para crossplay entre PS5 e XSX. Outros, como Borderlands 3 e Rainbow Six Siege, possuem rumores de que podem oferecer a opção. O certo é que, após a consolidação da geração, mais e mais jogos de multiplayer devem contar com esse recurso, pois o cross-platform será visto como o padrão, e não mais como um bônus.

O que é ótimo! Se tudo der certo, o PS5 e o XSX irão apostar mais na formação de comunidades e diminuir as barreiras criadas pela "guerra de consoles" que a mídia e os fãs tanto alimentam. Após anos de sistemas isolados, vai ser muito bom jogar diretamente contra pessoas em outras plataformas.

Se a nossa internet vai dar conta, aí já é outra história...

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.