Autor processa Netflix por cópia de história de cometa no filme "Não Olhe para Cima"

Por Blake Brittain

(Reuters) - Um autor baseado em Louisiana processou na quarta-feira a Netflix e o roteirista Adam McKay por alegações de que seu romance de humor negro sobre um cometa indo em direção à Terra, no filme de 2021 indicado ao Oscar "Não Olhe para Cima", teria sido copiado.  

William Collier disse no processo de direitos autorais movido no tribunal federal da Califórnia que o enredo e outros elementos criativos de "Não Olhe para Cima" são "surpreendentemente semelhantes" ao seu "Cometa de Stanley", e que sua história chegou a McKay através do trabalho de sua filha na empresa do ex-empresário do roteirista.

Representantes da Netflix e de Collier não responderam imediatamente aos pedidos de comentários sobre o processo, que pede pelo menos 5 milhões de dólares em indenizações.

Collier disse que seu romance de 2004 é uma "comédia de humor negro focada na descoberta por um cientista de baixa patente da Nasa, o Dr. Hershel Stanley, de um cometa gigante em rota de colisão com a Terra".

O processo afirma que a filha de Collier trabalhou na Jimmy Miller Entertainment, do Mosaic Media Group, que geria a carreira de McKay na época e co-produziu filmes, incluindo "Talladega Nights" e "Step Brothers". Segundo ele, sua filha enviou o romance para a avaliação da empresa em 2007.

Collier disse que publicou o romance por conta própria em 2012. O processo dizia que McKay escreveu o roteiro de "Don't Look Up" em 2019.

O roteiro do filme se assemelha muito ao trabalho de Collier, diz o processo, citando relatório de um professor de literatura comparada da Universidade do Sul da Califórnia, que disse que ambos fazem de forma semelhante "uma forte crítica política à mídia, ao governo e à elite cultural, exibindo sua superficialidade e dependência de pesquisas de opinião populares e algoritmos de mídia social."

(Reportagem de Blake Brittain em Washington)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes