Museu Britânico empresta antigo vaso grego ao Museu da Acrópole, na Grécia

ATENAS (Reuters) - O Museu Britânico emprestou, pela primeira vez em 250 anos, um antigo vaso de água grego -- a hidria de Meidias -- ao Museu da Acrópole em Atenas para uma exposição com início nesta semana e duração até abril.

O empréstimo ocorre em meio a uma disputa entre a Grécia e o Reino Unido sobre a devolução permanente de esculturas do Partenon, atualmente no Museu Britânico, para Atenas, o que levou ao cancelamento de uma reunião entre os líderes dos países em Londres na semana passada.

Assinada pelo ceramista ateniense Meidias, a hidria de 2.500 anos é decorada com figuras vermelhas que refletem os encontros míticos dos humanos com os antigos deuses gregos, entre eles o meio mortal Hércules, a deusa do amor Afrodite e Zeus.

O jarro de água foi feito entre 440 e 420 a.C.. Meidias é o nome do oleiro, mas o pintor do vaso é desconhecido.

O artefato foi escavado na Itália, provavelmente de uma tumba, embora não se saiba como chegou lá, e foi adquirido na década de 1760 pelo diplomata britânico Sir William Hamilton, que o vendeu ao Museu Britânico em 1772. Desde então, o objeto está em exibição nas galerias do museu dedicadas à Grécia antiga e nunca foi emprestado.

O diretor do Museu da Acrópole, Nikolaos Stampolidis, disse que exatamente esse tipo de vaso estava representado no friso de mármore do Partenon e que era muito importante "não apenas ter a imagem da hidria... mas também a própria peça".

A hidria fará parte da exposição "NoHMATA" (Significados) do museu da Acrópole, de 4 de dezembro a 14 de abril, que apresenta uma mistura de obras de arte, incluindo a Quimera de Arezzo de bronze de 400 a.C. do Museu Arqueológico de Florença e uma pintura de Rubens representando Saturno devorando seu filho, vinda do Museu do Prado.

(Reportagem de Deborah Kyvrikosaios e Renee Maltezou)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes