PUBLICIDADE
Topo

Ricardo Feltrin

Ney Matogrosso, 80: "Poema" é a canção mais tocada no país; veja ranking

Ney Matogrosso completa 80 anos - Leo Aversa/Divulgação
Ney Matogrosso completa 80 anos Imagem: Leo Aversa/Divulgação
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

01/08/2021 16h29

Ney Matogrosso, que completa 80 anos neste domingo, tem quase mil músicas interpretadas e com registro no Ecad (Escritório Central de Arrecadação de Direitos).

Apesar disso, ele só se dedicou a compor quatro músicas em parceria com colegas.

"Poemas", da parceria Frejat e Cazuza lidera o ranking como a mais tocada no Brasil nos últimos cinco anos.

Já "Sangue Latino" e "Pro Dia Nascer Feliz" foram as duas canções com mais regravações por parte desse sulmatogrossense de Bela Vista.

Nos arquivos do Ecad são 951 interpretações de Ney, que começou a carreira nos anos 70.

As 4 músicas que ele atua como co-autor são "Dívidas do Amor" (parceria com Leoni); "Lindo Anjo" (com Marcello Mello), "Vertigem" (parceria com os ex-RPMs Paulo Ricardo e Luiz Schiavon) e "Orgulho", versão da música de autoria de Nelson Wederynd e Waldir Rocha). Dessas, a única que gravou foi "Dívidas de amor".

Ney de Souza Pereira nasceu em Bela Vista (MS), no dia 1º de agosto de 1941. O nome artístico Ney Matogrosso foi adotado na década de 70, época em que fez parte do grupo Secos & Molhados, com João Ricardo e Gerson Conrad.

Veja as 10 canções interpretadas por ele mais tocadas no Brasil:

1 - Poema (Frejat/ Cazuza)
2 - Sangue Latino (João Ricardo/ Paulinho Mendonça)
3 - Tanto Amar (Chico Buarque)
4 - Balada do Louco (Arnaldo Baptista/ Rita Lee)
5 - Rosa de Hiroshima (Gerson Conrad/ Vinicius de Moraes)
6 - Promessas Demais (Zeca Barreto/ Paulo Leminski/ Moraes Moreira)
7 - Um Pouco de Calor (Dan Nakagawa)
8 - Flores Astrais (João Ricardo / João Apolinário)
9 - Amor Objeto (Rita Lee / Roberto de Carvalho)
10 - O Vira (João Ricardo / Luhli)

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook, Instagram e site Ooops