PUBLICIDADE
Topo

Com forte presença brasileira, cinema latino é destaque no Festival de Berlim

19/01/2022 19h47

Elena Garuz.

Berlim, 19 jan (EFE).- O cinema latino-americano voltará a ganhar destaque no Festival de Berlim deste ano, tanto na luta pelo Urso de Ouro, com a produção argentino-mexicana "Robe of Gems", que marca a estreia na direção de Natalia López Gallardo, quanto nas demais seções da Berlinale, onde o Brasil estará muito bem representado.

O filme de López Gallardo, que mistura realismo com sonhos e metáforas, "cria uma sensação especial de suspensão da realidade, confrontando o espectador com uma violência tão aterrorizante quanto praticamente invisível", segundo opinou o diretor artístico do festival alemão, Carlo Chatrian, durante a apresentação da programação.

A obra foi incluída entre os 18 filmes da competição oficial, que estreia no dia 10 com o filme "Peter von Kant", dirigido pelo francês François Ozon e estrelado por Denis Méchonet, Isabelle Adjani e Hanna Schygulla.

Esta será a sexta vez em que Ozon concorre nesse festival, desta vez com um filme considerado uma homenagem ao mítico "As Lágrimas Amargas de Petra von Kant", de Rainer Werner Fassbinder.

Segundo Chatrian, a direção do festival busca assim um "equilíbrio entre talentos consagrados e novos".

Também na competição oficial, mas na seção de Curtas da Berlinale, o brasileiro "Manhã de Domingo", de Bruno Ribeiro, enfrentará vizinhos latino-americanos como o peruano "Heroínas", de Marina Herrera, e "Four Nights", de Deepak Rauniyar, uma coprodução entre México, Estados Unidos e Nepal.

O Brasil também estará representado na seção Fórum, dedicada ao cinema experimental, na qual "Três Tigres Tristes", de Gustavo Vinagre e "Mato Seco em Chamas", de Adirley Queirós e Joana Pimenta, co-produzido com Portugal, competirão com os argentinos "Camuflaje", de Jonathan Perel, e "La Edad Media", de Alejo Moguillansky e Luciana Acuña; e o chileno "El veterano", de Jerónimo Rodríguez.

O país também chega forte na seção Fórum Expandido, na qual "O Dente do Dragão", de Rafael Castanheira Parrode, e "Se Hace Camino al Andar", de Paula Gaitán, dividirão espaço com a produção colombiana-portuguesa "Yarokamena", de Andrés Jurado.

Na seção Panorama, a produção franco-brasileira "Fogaréu", de Flávia Neves, é um dos destaques, junto com o mexicano "El norte sobre el emporio", de Alejandra Márquez Abella.

Já na seção Encontros, criada em 2019 para apoiar as novas vozes do cinema e dar maior espaço às diversas formas narrativas e documentais da seleção oficial, será exibido "A Little Love Package", do argentino Gastón Solnicki, rodado quase inteiramente na Áustria, país coprodutor do filme.

Por falar nos hermanos, a cineasta argentina Lucrecia Martel retorna ao Festival de Berlim, onde foi destaque em 2001 com "O Pântano", como parte do programa Berlinale Special com seu curta documental "Terminal Norte", estrelado pela cantora Julieta Laso.

Por fim, na seção Berlinale Series, será apresentado "Iosi: El espía arrepentido", dirigido pelo argentino Daniel Burman, vencedor em 2004 com "O Abraço Partido" e presença constante no festival desde então. EFE