Conteúdo publicado há 22 dias

Mari Fernandez diz que não escondia ser bi: 'Nunca tinham perguntado'

Mari Fernandez, 23, está rodando o Brasil com o "Mari no Barzinho", projeto em que, fazendo jus ao nome, canta em barzinhos.

Natural de Alto Santo (CE), ela escolheu começar pelo Rio de Janeiro graças à amizade com Ludmilla. "Recentemente eu gravei 'Falta de Mim', uma música com a Ludmilla, e eu criei uma amizade muito forte com ela", diz em entrevista a Splash.

"Eu fiquei impressionada com o carinho que recebi da galera do Rio de Janeiro, que consome o pagode, e isso acabou me encantando. E eu pensei, como eu nunca gravei nada no Rio, e a galera está me ouvindo muito, eu acho que vale a pena gravar algo lá agora".

Conhecida pelo forró e piseiro, Mari agora lança um pagodinho sozinha. Ela explica que é "antenada" no que está em alta. "O pagode está chegando em lugares que nunca tinha chegado. Eu moro em Fortaleza já faz uns 5, 6 anos, e é impressionante como, da pandemia para cá, as pessoas começaram a consumir muito pagode aqui".

Ela começou fazendo feats com artistas do gênero — e somou isso à vontade de lançar um EP em barzinhos. "Eu comecei como compositora e passei 5 anos sendo compositora e cantora, cantando nos barzinhos".

Para ficar diferente do que "todo mundo faz" — regravando clássicos do sertanejo — Mari optou por músicas autorais. "Café na Cama", em ritmo de pagode, é uma composição dela e Marco Esteves, o Marquinhos. "Eu acho que a galera gostou muito, é uma das músicas que mais tem sido elogiada pelo meu público nesse EP".

Sexualidade

Mari "causou" ao "revelar" ser bissexual e ainda brincar com a sexualidade do amigo, o cantor Nattanzinho, em novembro do ano passado.

Continua após a publicidade

Ela diz que nunca havia falado que era bissexual porque nunca tinham perguntando. "As pessoas sempre perguntavam se eu estava solteira ou se eu estava namorando, e eu sempre respondia 'tô solteira'. Ali foi a primeira vez que fizeram a pergunta e eu não tinha e não tenho motivo nenhum para esconder".

"Eu acho que é algo da minha vida pessoal, que sim, os fãs necessitam saber, afinal de contas, quando a gente começa a fazer sucesso, eles não querem saber só das músicas, eles querem saber de tudo".

Com apenas três anos de sucesso, a cantora continua se acostumando a compartilhar tudo da sua vida. "Você não pode sair para uma balada, não pode beijar, que se você beija alguém, vem alguém, tira uma foto, vira um vídeo e aquilo se torna a notícia da sua vida, como se fosse uma coisa incomum, mas é uma coisa normal."

Ali foi um momento que eu me senti confortável, eu estava do lado de amigos que já sabiam, que eu sabia que iam me apoiar também. E não houve nenhum tipo de preconceito, graças a Deus, eu acho que nem tem necessidade. A gente vem numa era que nós sabemos que toda forma de amor é livre. Mari Fernandez

São João

Mari diz que "deve muito" às festas de São João — ela se tornou conhecida nacionalmente nesse período em 2021, com o hit "Passa Lá em Casa". No ano seguinte, o público começou a lotar seus shows. ""Eu conquistei muitas coisas a partir do São João de 2022. Muitos shows, grandes palcos, fui convidada a cantar em vários eventos, como [a Festa do Peão de] Barretos".

Continua após a publicidade

Quando chega o São João, eu me lembro de tudo que aconteceu no início da minha carreira. Sou muito grata por esse período, porque é a época que a gente mais faz show, canta em grandes palcos e tem a oportunidade de ser visto por muitas pessoas. Mari Fernandez

O período serve como um termômetro de sucesso para os artistas de forró, sertanejo, etc. "Num São João grande, você é uma das atrações com outras atrações grandes. Tem fãs de todos os gêneros. Se as pessoas cantam a sua música, é porque realmente ela tá fazendo sucesso em todos os públicos".

Ela fala com carinho sobre as memórias desse período em sua infância. "Quando pequenininha minha mãe queria me colocar para dançar quadrilha, eu dançava, então o São João sempre fez parte da minha cultura".

Pé no chão

Hoje famosa e rica, Mari diz não esquecer que veio de uma família humilde. "Eu batalhei muito, muito mesmo, para chegar até onde eu cheguei. Hoje eu moro numa casona, eu tenho um carrão, mas eu sempre procuro estar ligada às minhas raízes, eu sou muito econômica. As pessoas me chamam mão fechada para dinheiro, mas por quê? Porque eu já tive situação de não ter como comprar comida porque não tinha dinheiro".

Continua após a publicidade

A artista diz que toma cuidado para não "gastar o que não pode" e que é a base de sua família. "Eu me dou o luxo de viajar, de usar uma coisa de grife, mas eu priorizo outras coisas, priorizo estar bem, comendo bem, numa casa confortável, eu priorizo dar um conforto à minha família".

As coisas que eu mais priorizo na minha vida: Deus, minha família e os meus amigos. Eu acho que não faz sentido ter dinheiro, luxo e fama, mas não ter ao lado pessoas que a gente verdadeiramente ama e que nos amam. Não faz sentido você ter todo sucesso do mundo e não ter alguém para puxar a sua orelha na hora que você está errado. Mari Fernandez

"Não faz sentido ter tudo, ver uma pessoa que tem pouco e não ajudar o próximo. Para mim, não faz sentido não ajudar a minha família se eu batalhei muito tempo para me tornar alguém e orgulhar a minha família".

Deixe seu comentário

Só para assinantes