Conteúdo publicado há 24 dias

Por que não tem a música que quero? Como tirar 100? Os segredos do karaokê

Gosto de karaokê desde que eu me lembro, e, para mim, a graça da brincadeira é já saber de cor quais músicas vou cantar quando voltar ao karaokê.

No começo de 2022, cismei que queria cantar "Vienna", do Billy Joel, canção famosa entre os jovens que sofrem de algum distúrbio de ansiedade. Só que eu não achava em lugar nenhum. Levou seis meses até eu descobrir um karaokê no centro de São Paulo e realizar esse desejo profundo.

Dois anos depois, cubro o Carnaval de Recife, descubro Raphaela Santos e fico viciada na versão dela de "Disse Adeus", originalmente da finada banda Calypso. Decido procurar na minha próxima ida ao karaokê. Não acho.

Por quê?

A Raf Eletronics, dona da Videokê, explica que a disponibilização de músicas depende de "fatores burocráticos". "Nossos lançamentos são baseados em sucessos consagrados, trilhas sonoras famosas e canções mais pedidas por nossos clientes através do nosso site", disse a empresa a Splash.

Infelizmente nem todas as músicas são possíveis de serem inseridas em nosso repertório, pois dependemos de outros fatores burocráticos. Raf Eletronics

Esses "fatores burocráticos" são, basicamente, direitos autorais. Janaína Xavier, dona da Encante Karaokê, explica a Splash que é mais fácil a aquisição de músicas internacionais do que nacionais. "Geralmente, as empresas que fazem karaokê lá fora, disponibilizam muito rápido e isso fica gratuito no YouTube. Então, não tem custo".

Quando se trata de música nacional, por uma questão de direito autoral, os donos de empresas de karaokê dependem da disponibilização da Raf. As músicas são compradas individualmente ou em packs, disponibilizados mensalmente.

No Brasil não tem muito essa cultura de karaokê. Por exemplo, no Japão, quando um artista lança um trabalho, ele já lança todo o álbum em karaokê. Também, porque é uma cultura deles. Janaina Xavier

Continua após a publicidade

Para comprar novas músicas, o cliente compra créditos na Raf. Cada música custa de 6 a 20 créditos, o que, na prática, significa que algumas músicas são mais caras. Exemplificando: "Shallow", de Lady Gaga e Bradley Cooper está entre as mais caras (20 créditos), enquanto "Natasha", do Capital Inicial, está entre as mais baratas (6 créditos).

Quer tirar nota boa? Cante alto e no ritmo. Qualquer pessoa que já tenha se esguelado no karaokê sabe que os critérios de avaliação parecem questionáveis. A Raf Eletronics diz que "o sistema de pontuação nos aparelhos são mensurados conforme a pessoa que está cantando alcança as notas e entonações corretas da música".

Mas é difícil para uma máquina avaliar, de forma artística, quem está cantando. "Fica muito difícil para a máquina captar tudo, avaliar quais são os tipos de notas que podem ser usadas em cada tonalidade diferente, equalizar tudo isso e dar a nota, tudo em dois minutos. É muito complexo".

Geralmente, o aparelho vai pelo volume e pelo ritmo. A gente sempre fala: 'Quer tirar 100? Grita, que você vai conseguir!' Janaina Xavier

Deixe seu comentário

Só para assinantes