Conteúdo publicado há 1 mês

Edir Macedo recorre em ação que ordenou retirada de vídeo homofóbico do ar

Edir Macedo, 79, apresentou um recurso contra a decisão da Justiça Federal de remover da internet vídeo em que faz declarações homofóbicas para os seus seguidores. A notícia foi confirmada por Ancelmo Gois, do jornal O Globo.

O que aconteceu

Na véspera de Natal de 2022, o bispo Edir Macedo fez uma transmissão ao vivo para seus seguidores e comparou homossexuais com criminosos. O dono da Record e fundador da Igreja Universal do Reino de Deus afirmou que ninguém "nasce mau".

Você não nasceu mau. Ninguém nasce mau. Ninguém nasce ladrão, ninguém nasce bandido, ninguém nasce homossexual ou lésbica? Ninguém nasce mau. Edir Macedo

Na mesma semana, a ABRAFH e a Aliança Nacional LGBTI+ protocolaram uma queixa-crime contra o bispo por fala homofóbica em rede nacional. A Record, que exibiu o programa, não foi responsabilizada pela notícia-crime.

A Justiça Federal determinou que a Record retirasse o vídeo do ar em novembro de 2023. A decisão liminar do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) ordenou que o conteúdo não pode estar em qualquer forma de transmissão eletrônica, como sites, redes sociais, YouTube e podcasts.

O discurso, conforme a decisão, possui conteúdo evidentemente homofóbico ao relacionar "ser homossexual ou lésbica" a "ser mau", com "ser ladrão" ou "ser bandido". Para a juíza Ana Maria Wikcert, do TRF4, a Record e Edir Macedo extrapolaram o direito à liberdade de expressão. "Esse tipo de associação, muito além de ser ofensivo, incita a discriminação e a intolerância contra a comunidade LGBTQIA+."

A Record, a ABRAFH e a Aliança Nacional LGBTI+ foram procuradas por Splash, mas ainda não retornaram o contato. A nota será atualizada em caso de resposta.

Deixe seu comentário

Só para assinantes