Conteúdo publicado há 9 meses

Eduardo Costa pede penhora de bens de jogador após condenação de R$ 1 mi

Eduardo Costa pediu na Justiça o bloqueio dos bens do ex-jogador Fábio Júnior.

O comentarista da Globo foi condenado a pagar R$ 1 milhão ao cantor, pela compra que acabou não se concretizando de uma mansão avaliada em R$ 10 milhões.

A primeira parcela do valor, vencida em agosto de 2019, não foi paga por Fábio Júnior. Caso não pague a quantia nos próximos dias e não haja dinheiro em conta, ele poderá ter suas contas bancárias bloqueadas.

"Esse processo é uma promessa de compra e venda que Fábio Júnior fez na compra da casa na Pampulha e ele desistiu. E no contrato tem uma previsão, caso não cumprisse com o pagamento, seria executado", afirma Mara Peixoto, advogada do músico.

O processo transitou em julgado e está na fase de penhora de valores. Se não pagar voluntariamente nos próximos dias, cerca de aproximadamente 15 dias, a execução será manifestada e entrará nesta fase [de bloqueio de contas]. Mara Peixoto

O que aconteceu?

Em abril, a Justiça de Minas Gerais condenou Fábio Júnior a pagar R$ 1 milhão a Eduardo Costa, pela compra que acabou não se concretizando de uma mansão avaliada em R$ 10 milhões.

A decisão foi concedida pela 21ª Vara Cível de Belo Horizonte, assinada pela juíza Lilian Bastos. A magistrada determinou que o ex-jogador pagasse 10% do valor do contrato, extinguindo o processo aberto pelo artista.

A juíza entendeu que Fábio Júnior tinha conhecimento da multa prevista no acordo e que o valor de 10% do contrato está dentro dos limites legais. Também determinou a rescisão do contrato de compra e venda do imóvel.

Continua após a publicidade

Eduardo Costa foi à Justiça em dezembro de 2020. A mansão fica no Bairro Bandeirantes, em Belo Horizonte, e vale R$ 10 milhões.

Porém, a primeira parcela, de R$ 6 milhões, não foi paga em agosto, conforme previa o acordo. Em novembro, o cantor enviou uma rescisão contratual cobrando a multa, sem conseguir êxito, segundo disse no processo. O acordo ainda previa mais R$ 4 milhões em 36 parcelas de R$ 111 mil cada.

Fábio Júnior contestou a cobrança na Justiça de forma espontânea, após ter conhecimento sobre a ação pela imprensa. Ele afirma que teve conhecimento de um processo envolvendo o imóvel que estava em segredo de Justiça, descoberto após a celebração do contrato.

Em 2021, o ex-jogador disse ao UOL que assinou o acordo sem saber de problemas judiciais envolvendo a mansão.

"Tive a intenção de comprar o imóvel, assinei o contrato, mas depois meus advogados me alertaram que existiam algumas cláusulas que não eram boas, e também que o imóvel poderia ter problemas na Justiça. Assinei sem ter noção disso, e conversamos para ser feito um desacordo informal. Achei que estava tudo bem. Se eu tivesse feito um distrato formal, na Justiça, não estaria passando por isso", afirmou.

Deixe seu comentário

Só para assinantes