PUBLICIDADE
Topo

Juíza decide a favor da Netflix em processo envolvendo '13 Reason Why'

Hannah (Katherine Langford), a protagonista de "13 Reasons Why" - Reprodução/Netflix
Hannah (Katherine Langford), a protagonista de '13 Reasons Why' Imagem: Reprodução/Netflix

Colaboração para Splash

12/01/2022 12h52

A Netflix saiu vitoriosa no processo movido contra a empresa pelo cidadão norte-americano John Herndon. Ele culpa a empresa por ter influenciado o suicídio de sua filha, Bella Herndon, através de sua série "13 Reasons Why".

Em sentença expedida ontem, a juíza federal Yvonne Gonzalez Rogers entendeu que a plataforma de streaming não pode ser legalmente penalizada por recomendar aos assinantes qualquer dos títulos de seu catálogo.

"É um caso trágico, mas simplesmente não acho que o processo sobreviva", determinou a magistrada em seu parecer sobre o caso, baseando a decisão na proteção ao direito à liberdade de expressão.

Bella Herndon se suicidou por enforcamento no dia 18 de abril de 2017, em seu próprio quarto. Segundo seu pai, ela havia maratonado a série dias antes da decisão trágica.

Em agosto de 2021, seu pai John entrou com processo contra a Netflix, pedindo que a empresa fosse responsabilizada por recomendar "13 Reasons Why" a "crianças vulneráveis" - nas palavras de Ryan Hamilton, advogado do autor da ação.

Em dezembro, a companhia de streaming impetrou uma moção pedindo o indeferimento do processo aberto por Herndon.