PUBLICIDADE
Topo

Ex descreve últimos dias de Freddie Mercury: 'Lembranças dele sofrendo'

Mary Austin e Freddie Mercury - Getty Image
Mary Austin e Freddie Mercury Imagem: Getty Image

Colaboração para Splash, em Pernambuco

27/11/2021 14h14Atualizada em 27/11/2021 14h25

Há três décadas, Freddie Mercury, um dos maiores ícones da música mundial, perdia a batalha contra a AIDS e deixava milhões de fãs ao redor do mundo consternados. O vocalista do Queen morreu no dia 24 de novembro de 1991 e, em seus últimos dias, tinha poucos amigos ao seu lado.

Entre aqueles que não deixaram Freddie sozinho em seus momentos finais, estavam seu namorado Jim Hutton e Mary Austin, sua ex-namorada, que herdou sua fortuna e foi a inspiração de "Love of My Life", um dos maiores sucessos da banda britânica.

Ao "The Mirror", Mary falou sobre os últimos dias do astro: "Eu realmente sentia muito amor por ele. Eram os momentos (quando estavam juntos) de que me lembrava cada vez que olhava para sua cama. Eu me sentava todos os dias ao lado da cama por seis horas, estivesse ele acordado ou não".

"Ele acordava de repente, sorria e dizia: 'Oh, é você, old faithful (expressão em inglês que faz referência a alguém que existe há muito tempo)'".

Mary continuou: "Eu preferia que acontecesse ao contrário. Eu deveria ter ido primeiro - preferia que ele sentisse minha falta do que eu a dele."

Perdi alguém que pensava ser meu amor eterno. Quando ele morreu, senti que tínhamos nos casado. Tínhamos vivido nossos votos. Tínhamos vivido o na alegria e na tristeza, na riqueza e na pobreza, na saúde e na doença."

Mary ainda mora na casa deixada por Freddie, mas revelou que demorou a entrar no quarto que era dele.

"Passei tanto tempo com ele passando mal e havia tantas lembranças naquele quarto. Lembranças dele sofrendo. Acabei de ver este homem muito frágil deitado em sua cama e me lembrei de todas as pequenas coisas que eu costumava fazer por ele. Penteando o cabelo, porque ele se deitaria e todo o seu cabelo ficaria para cima", contou.

Freddie declarava que Mary era o "amor de sua vida" e que a "amaria até o último suspiro".