PUBLICIDADE
Topo

Spike Lee compara Bolsonaro a gângster; diretor de Bacurau cita Cinemateca

Spike Lee disse que Jair Bolsonaro (sem partido0 "não tem escrúpulos" na abertura do Festival de Cannes - Amy Sussman / Getty Images
Spike Lee disse que Jair Bolsonaro (sem partido0 'não tem escrúpulos' na abertura do Festival de Cannes Imagem: Amy Sussman / Getty Images

De Splash, em São Paulo*

06/07/2021 13h58Atualizada em 06/07/2021 15h45

No dia da estreia do Festival de Cannes, na França, o presidente do júri, Spike Lee, não poupou críticas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Lee também foi incisivo com o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump e do mandatário russo, Vladimir Putin.

Na coletiva de imprensa, o diretor de "Malcom X" e "Infiltrados na Klan" comparou o presidente brasileiro a um líder de uma máfia, segundo o The Hollywood Reporter e o Deadline.

Este mundo é governado por gângsters. O 'agente laranja' [Donald Trump], o cara do Brasil [Jair Bolsonaro] e Putin. Eles são gângsters e farão o que quiserem. Eles não têm moral nem escrúpulos. E temos que falar abertamente contra gângsteres como esse.

Spike Lee - EPA/Getty Images - EPA/Getty Images
Spike Lee preside júri do Festival de Cinema de Cannes
Imagem: EPA/Getty Images

Spike Lee é o presidente do júri do 74º Festival de Cinema de Cannes, sendo a primeira vez que os jurados serão presididos por um homem negro.

O diretor respondeu à pergunta de um jornalista sobre a opressão feita em território russo na coletiva que precede a abertura de exibições do festival. Hoje, será exibido "Annette", com Adam Driver, que concorre ao Palma de Ouro.

O brasileiro Kleber Mendonça Filho estava na coletiva de imprensa e disse estar emocionado por voltar a ver uma obra na tela de cinema.

Esta noite é minha primeira vez em um cinema em 15 meses.

O diretor ainda criticou indiretamento o governo federal de Jair Bolsonaro (sem partido) pela administração em meio à pandemia.

Já atingimos mais de 500 mil mortes [no Brasil]. Temos dados técnicos de que se o governo tivesse agido corretamente, 350 mil mortes poderiam ter sido evitadas. Eu aconselho que vocês discutam os problemas, informem as pessoas.

Ele defendeu que uma das formas de "resistir" é divulgar a informação e denunciar, por exemplo, "o fechamento da Cinemateca Brasileira há mais de um ano", uma "forma muito clara de reprimir a cultura e o cinema".

São 90 mil títulos, 230 mil rolos de filme e videoteipes. Técnicos e especialistas forma demitidos. É um caso claro de completo desprezo pela cultura e pelo cinema.

Em 2019, Kleber ganhou o "Prêmio do Júri" com "Bacurau", cuja história mostra um prefeito tentando tirar proveito da população local e apresentado como uma crítica ao momento vivido pelo país pelos diretores.

Bacurau - Divulgação - Divulgação
Sônia Braga em cena do filme pernambucano "Bacurau", que ganhou o prêmio do juri em Cannes
Imagem: Divulgação

O Brasil é representado este ano nas categorias de melhor curta-metragem, com "Sideral," e "Céu de Agosto", além do prêmio "Certo Olhar" com "O Marinheiro das Montanhas" e mostras especiais exibindo "Cantareira" e "Medusa".

*Com informações da AFP e RFI