PUBLICIDADE
Topo

Kiera Allen, de 'Fuja', é cadeirante na vida real: conheça sua história

Kiera Allen, estrela de "Fuja", é cadeirante na vida real
Kiera Allen, estrela de "Fuja", é cadeirante na vida real
Instagram/Reprodução

Daniel Palomares

De Splash, em São Paulo

16/04/2021 04h00

Quem assistiu ao filme "Fuja", um dos mais vistos na Netflix, deve ter se impressionado com Kiera Allen, atriz que interpreta Chloe, a filha em apuros de Sarah Paulson. O que poucos sabem é que Kiera, além de entregar todo o drama da personagem, também vive em uma cadeira de rodas como ela.

"Fuja" é o filme de estreia de Kiera, aos 24 anos. Ela precisou de cadeira de rodas em 2014 e nunca deixou que a deficiência a impedisse de seguir com sua carreira na atuação. "Fuja" é o primeiro thriller em 70 anos protagonizado por uma pessoa cadeirante.

Continua depois da publicidade

A deficiência é parte da minha identidade. Minha personagem é inteligente, divertida, uma engenheira. Ela tem sonhos e é incrível. Poder interpretar alguém em uma história que não fosse apenas inspiradora ou digna de pena foi ótimo.

Kiera, em entrevista ao "We Live Entertainment"

Origem

Nascida e criada em Nova York, Kiera começou a estudar teatro aos 12 anos e participou de curtas e peças de teatro antes de migrar para o cinema. Quando participou dos testes para "Fuja", ela já estudava escrita criativa na Universidade de Columbia.

Eu me inspirava em Matt Damon quando estava crescendo. Ator e roteirista brilhante. Adoraria ser como ele. Também amava os protagonistas de "Harry Potter". Achava muito legal ter pessoas da minha idade atuando.

relembra Kiera ao "We Live Entertainment"

rfvff - Instagram/Reprodução - Instagram/Reprodução
Sarah Paulson e Kiera Allen são mãe e filha em "Fuja"
Imagem: Instagram/Reprodução
Continua depois da publicidade

Convite para o filme

O diretor e os produtores de "Fuja" nunca pensaram em escalar uma atriz que não fosse cadeirante para o papel de Chloe. Porém, nos testes, receberam vídeos de diversas atrizes fingindo ser deficientes para conseguir o papel.

Antes de ser aprovada, Kiera precisou viajar mais de uma vez a Los Angeles para testes com os produtores e também com a atriz Sarah Paulson. Durante as gravações do longa, ela tinha que se dividir entre as aulas, em Nova York, e o filme aos finais de semana, no outro lado do país.

brgbgg - Instagram/Reprodução - Instagram/Reprodução
Sarah Paulson vive mãe com Síndrome de Munchausen por procuração em "Fuja"
Imagem: Instagram/Reprodução

Representatividade

Kiera afirmou que se sente feliz em poder ser referência para outras pessoas com deficiência, que dificilmente se veem em filmes ou séries de TV. Ela espera que esse seja só o início de uma caminhada por mais oportunidades em Hollywood.

É a primeira vez que muitos da minha geração veem uma atriz que realmente usa cadeira de rodas. Me sinto representando uma comunidade que é pouco vista. Espero que o filme quebre essas barreiras e que outros atores deficientes estrelem grandes produções.

Em entrevista ao "The New York Times"

Continua depois da publicidade
fdff - Instagram/Reprodução - Instagram/Reprodução
Keira Allen nos bastidores de "Fuja"
Imagem: Instagram/Reprodução

No filme, Kiera domina sequências tensas. Ela contou com a ajuda de duas dublês, mas festeja a possibilidade de mostrar o quanto pessoas com deficiência são capazes de realizar.

É uma das melhores representações de deficientes que já vi. Essa personagem não é uma vítima, ela define sua própria jornada. Todos no set me deixaram muito confortável e tornaram tudo acessível.

Kiera, para o "The New York Times"

Planos para o futuro

Começando com o pé direito em um filme que já bombou tanto, Kiera diz que não tenta pensar muito no que o futuro reserva. Ela se forma no ano que vem e quer poder investir também na carreira de roteirista.

Continua depois da publicidade

Quero trabalhar com grandes atores e diretores. Esse papel foi um sonho. É incrível ter um roteiro tão bom em mãos. Quero poder escrever meu próprio material no futuro, isso é o que mais anseio.

Em conversa com o "Rose and Ivy Journal"