PUBLICIDADE
Topo

Novo contratado da Record, Cabrini critica ataques de Bolsonaro a imprensa

Guilherme Lucio da Rocha

de Splash, em São Paulo

30/10/2020 04h00

12 anos depois de sua primeira passagem pela Record, o jornalista Roberto Cabrini está de volta à emissora. Ele se despediu do SBT para assumir posição de destaque no 'Domingo Espetacular', programa com foco em grandes reportagens.

Continua depois da publicidade

Splash conversou com Cabrini, que se disse animado com a chegada na nova casa e ansioso para desenvolver novos projetos.

É um momento de grande efervescência no telejornalismo da Record. Inicialmente, vou começar fazendo a grande reportagem, que é a minha veia. A partir de janeiro a gente vai colocar em prática outros projetos.

Cabrini retorna à Record num momento de ataques do presidente Jair Bolsonaro a imprensa. Ele afirmou que a sociedade tem que estar vigilante para evitar o autoritarismo.

Em entrevista ao UOL em abril de 2019, Cabrini disse que Jair Bolsonaro estava se mostrando um presidente mais democrático que se imaginava por suas declarações durante a campanha. Ele mantém essa mesma visão.

Continua depois da publicidade

Eu acho que ele tem momentos democráticos, como tem momentos não tão democráticos. Quando ele ataca a imprensa, ele ataca a todos nós [jornalistas]. O problema é você carimbar algo. Tem muitas coisas que ele faz que eu não concordo, outras eu concordo.

Sobre os tempos de polarização, Cabrini diz que seu partido é o jornalismo.

Quando eu entrevisto alguém da direita, falam que eu sou da esquerda, sou comunista. Quando falo com alguém da direita, sou o contrário. Por que isso? Porque eu questiono!

Começo no esporte e redes sociais

Roberto Cabrini tem 60 anos e nasceu em Piracicaba. Torcedor do Palmeiras e do XV da sua cidade, o jornalista começou sua carreira no jornalismo esportivo e diz que foi uma escola que o ensinou a contar boas histórias.

Continua depois da publicidade

O esporte tem uma parte meio óbvio da editoria - quem ganhou, quem perdeu. Mas também uma parte fascinante, porque você fala com personagens de grande poder de comunicação com as pessoas.

Usuário assíduo do Twitter e do Instagram, ele também destacou a importância das redes sociais, sem esquecer do problema das fake news e das distorções nos discursos. Para Cabrini, o jornalista que não está atento às demandas das redes sociais, é um "dinossauro".

No final do dia, o que é valorizado é o verdadeiro jornalismo. Essa interatividade tem mais aspectos positivos, porque ela democratiza a informação. O jornalista que não se preocupa com a comunicação em todas as redes sociais é um dinossauro dos nossos tempos.