PUBLICIDADE
Topo

Página Cinco

Os destaques da Flip, Flipelô e Bienal Virtual do Livro de SP

Bernardine Evaristo - Jennie Scott/Divulgação
Bernardine Evaristo Imagem: Jennie Scott/Divulgação
Página Cinco

Rodrigo Casarin é jornalista e especialista em Jornalismo Literário. Escrevendo sobre livros, já colaborou com veículos como Valor Econômico, Aventuras na História, Carta Capital, Revista Continente, Suplemento Literário Pernambuco, Jornal Rascunho e Cândido. Integrou o júri do Oceanos ? Prêmio de Literatura em Língua Portuguesa em 2018, 2019 e 2020 e o júri do Prêmio Jabuti em 2019, na categoria Biografia, Documentário e Reportagem. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Colunista do UOL

02/12/2020 09h58

A pandemia de coronavírus também tumultuou os eventos literários no país. Três dos principais encontros que precisaram rever datas e formato acontecerão agora em dezembro, com toda a programação online e gratuita: a Flip, a Flipelô e a Bienal do Livro de São Paulo. São papos remotos e sem a cerveja no bar típica das festas. Paciência. É o que temos para 2020.

Não bastassem os problemas decorrentes da pandemia, o ano da Festa Literária Internacional de Paraty ainda foi marcado pela saída da curadora Fernanda Diamant enquanto a organização batia cabeça para decidir o que fazer neste ano. Sem curadora e sem autora homenageada (o controverso nome de Elizabeth Bishop caiu tão logo Fernanda renunciou), teremos uma edição mais enxuta que apresenta acertos. Um deles é a atenção por meio da literatura a temas urgentes, como os debates raciais e de gênero.

Dentre os 22 convidados, oito são estrangeiros, sendo quatro desses dos Estados Unidos. O olhar excessivamente voltado para aquela porção do mundo e para autores de língua inglesa segue como um dos pontos baixos da Flip. Bem como a repetição de Lilia Schwarcz, que se tornou nome recorrente na programação das últimas edições do evento. Nada contra a historiadora, só seria uma boa abrir espaço para que outras pessoas tentem nos ajudar a compreender o Brasil.

Abaixo destaco algumas mesas da programação da Flip, bem como da Flipelô e da Bienal Virtual do Livro de São Paulo. Caso queira ver toda a grade da festa de Paraty ou ter mais informações sobre como será a 18ª edição do evento, que acontecerá entre os dias 3 e 6 de dezembro, eis o caminho.

A 4ª Festa Literária Internacional do Pelourinho, organizada pela Fundação Casa de Jorge Amado em parceria com o Sesc, inicialmente programada para agosto, agora acontecerá entre os dias 10 e 13 deste mês. Ainda que à distância, o evento manterá uma grade com boa variedade de encontros: mesas para troca de ideias, espetáculos que misturam música e literatura, contação de histórias, oficinas...Deixarei de fora dos destaques para não soar cabotino, mas no dia 12, às 11h, mediarei uma conversa com o escritor Milton Hatoum, autor de "Dois Irmãos", "Relato de um Certo Oriente" e da trilogia "O Lugar Mais Sombrio".

Já a Bienal Internacional do Livro de São Paulo postergou sua 26ª edição para 2022. Para não deixar o ano passar batido, a Câmara Brasileira do Livro, organizadora do evento, anunciou a 1ª Bienal Virtual do Livro de São Paulo, que rolará entre os dias 7 e 13 de dezembro. A promessa é reunir mais de 100 expositores e cerca de 330 autores em diferentes ambientes, como o Espaço Mauricio de Sousa, pensado para o público infantil e juvenil, e a já tradicional Arena Virtual, que desta vez terá curadoria da editora Diana Passy, nome por trás também do Flipop (Festival de Literatura Pop).

Jeferson Tenório - Carlos Macedo/ Divulgação - Carlos Macedo/ Divulgação
Jeferson Tenório
Imagem: Carlos Macedo/ Divulgação

A seguir, algumas mesas desses eventos que merecem atenção.

Flip:

Diásporas - Bernardine Evaristo e Stephanie Borges

03/12, às 18h

Bernardine Evaristo foi a primeira autora negra a levar o Booker Prize. Isso graças ao romance "Garota, Mulher, Outras", no qual personagens mulheres e não-binárias ajudam a traçar um panorama histórico entre a África e o Caribe. A escolha da tradutora e escritora Stephanie Borges para conduzir o papo é um acerto. Stephanie verteu para o português nomes como Jacqueline Woodson, Bell Hooks e Audre Lorde.

Animais abatidos - Pilar Quintana e Ana Paula Maia

04/12, às 20h30

Conversa entre uma das escritoras mais premiadas do Brasil nos últimos anos (Ana Paula Maia) e a colombiana Pilar Quintana, autora de "A Cachorra" (livro forte, que incomoda o leitor, mas com uma história que merecia ser contada numa narrativa de mais fôlego). O horror e o lado obscuro da vida devem ser temas da conversa mediada por Schneider Carpeggiani.

Ancestralidades - Chigozie Obioma e Itamar Vieira Junior

05/12, às 18h

Itamar Vieira Junior acaba de vencer o Jabuti de romance com "Torto Arado", livro que também está na final do Oceanos e virou um fenômeno de vendas para os padrões modestos de nossa literatura. É mesmo um livraço e o autor tem muito a dizer. Deve sair coisa boa da conversa com o nigeriano Chigozie Obioma, autor de "Os Pescadores" e "Uma Orquestra de Minorias". A mediação é de Ángel Gurría-Quintana.

Batidas - Regina Porter e Jeferson Tenório

06/12, às 16h

Outro nome de destaque na nossa atual cena literária, Jeferson Tenório lançou há pouco "O Avesso da Pele", romance que traz um importante olhar para como o racismo corrói a nossa sociedade e destrói vidas. A questão racial e familiar também aparece no trabalho de Regina Porter, autora de "Os Viajantes", que acaba de ser lançado no Brasil. A mediação será de Guilherme Henrique.

Preta Rara - Iwi Onodera/UOL - Iwi Onodera/UOL
Preta Rara
Imagem: Iwi Onodera/UOL

Flipelô:

Sou Nerd, sou Geek e o que mais eu quiser! Com a palavra, os gamers - com Anne Quiangala e Leandro Villa

11/12, às 11h

Uma mesa com jovens falando sobre games num evento literário. É muito bem-vinda, precisamos mesmo desse tipo de troca. A mediação será de Renato Cordeiro.

O que quer, o que pode esta rima! Poesias, Ideias, Teimosias e Afins? - com Sergio Vaz e Preta Rara

11/12, às 18h

Bastante energia e resiliência concentradas nessa mesa com a escritora Preta Rara, apresentadora do podcast Talk Five, e o poeta e agitador cultural Sergio Vaz, um dos nomes por trás da Cooperifa. A mediação será de Edvard Passo.

Papo com Pepetela

12/12, às 14h

Um dos grandes nomes da literatura angolana, autor de livros como "Mayombe", "O Cão e os Caluandas" e "Predadores", Pepetela é um nome para sempre prestarmos atenção. É bom que a Flipelô siga promovendo o diálogo com escritores de países africanos.

Raphael Montes - Bel Pedrosa/Companhia das Letras - Bel Pedrosa/Companhia das Letras
Raphael Montes
Imagem: Bel Pedrosa/Companhia das Letras

Bienal Virtual do Livro de São Paulo:

Papo sobre Agatha Christie com Raphael Montes, Tito Prates e Bel Rodrigues

09/12, às 17h, na Arena Virtual

Papo sobre a rainha do crime com a presença dos escritores Tito Prates, Bel Rodrigues e Raphael Montes. Este vive um momento especial, com um Jabuti recém-colocado na estante (de Romance de Entretenimento por "Uma Mulher no Escuro") e série aparentemente bem-sucedida na Netflix ("Bom Dia, Verônica"). A mediação será de Madame Agatha Killer.

"Sempre Raia um Novo Dia" - com Claudia Raia e Rosana Hermann

11/12, às 17h, na Arena Virtual

Conversa com Claudia Raia e Rosana Hermann, que assinam o livro "Sempre Raia um Novo Dia", registro biográfico da atriz. A mediação será de Thiago Guimarães.

Literatura indígena e infantil - com Cristino Wapichana, Rodrigo França e Kiusam de Oliveira

13/12, às 11h

Representatividade, ancestralidade, diversidade, racismo, preconceito... São temas que devem entrar nessa conversa entre os escritores Cristino Wapichana, Rodrigo França e Kiusam de Oliveira. Potencial para ser um dos papos mais enriquecedores da Bienal.

Você pode me acompanhar também pelas redes sociais: Twitter, Facebook, Instagram, YouTube e Spotify.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL